DentalBizz 2019

Luís Macieira: “Uma vez terminada a fase de implementação das novas tecnologias voltará a ser importante apenas e só o resultado”

Luís Macieira: “Uma vez terminada a fase de implementação das novas tecnologias voltará a ser importante apenas e só o resultado”

A edição de 2019 do DentalBizz realiza-se já no próximo dia 26 de junho, na Casa da Música, no Porto. Luís Macieira, técnico de prótese dentária e diretor técnico da DentalRéplica, é um dos oradores convidados para falar de tecnologia e do seu impacto na evolução da reabilitação oral.

O que é que podemos esperar da sua apresentação no DentalBizz?

Tentarei essencialmente discutir a necessidade de nunca se perder o conhecimento base que orienta a disciplina de reabilitação oral quando incluímos novas ferramentas digitais nos processos.

São meros alertas, mas que considero importantes para que se mantenha o justo equilíbrio entre inovação e resultado não influenciado negativamente por essa inovação.

Como evoluiu a prática laboratorial desde que começou a exercer, em 1993?

Também abordarei esse aspeto, porque, na verdade, dos processos que aprendi na faculdade o único que ainda pratico é o uso de gesso para a elaboração de modelos de trabalho, e mesmo esse começa a entrar em transição.

No entanto, porque o que fazemos hoje se destina ao mesmo objetivo, e sobretudo porque os tratamentos são realizados sobre o mesmo ‘paciente’, os conceitos devem prevalecer sobre as tecnologias. Se deixarmos os processos centrarem a nossa atenção, corremos o risco de nos distrairmos do mais importante. Infelizmente constato que este aspeto é já hoje uma realidade e a indústria já percebeu isso e usa este facto a seu favor.

Que vantagens e desafios trazem a constante evolução da tecnologia utilizada na medicina dentária?

As vantagens são muitas e cada utilizador desenvolve de acordo com a sua preferência, umas ou outras, mas, no fim, a integração de dados, a facilidade de comunicação, a velocidade de execução e ganho de tempo e a qualidade objetiva dos materiais resumem as principais vantagens, e todas somadas se fundamentam em benefício para os profissionais e pacientes.  O desafio é atravessar o período de transição sem deixar que os botões e as luzes nos afastem do essencial, porque uma vez terminada a fase de implementação das novas tecnologias voltará a ser importante apenas e só o resultado traduzido na qualidade do tratamento realizado a um paciente, e os profissionais deixarão de se dividir entre mais ou menos tecnológicos.

Os Prémios Saúde Oral celebram este ano o seu 10.º aniversário. Qual é a importância desta iniciativa para o setor?

Reconhecer o trabalho de alguém e a sua prestação profissional é sempre importante para o próprio e para a classe. Pode ser um fator de motivação e oportunidade de reconhecimento, sobretudo se refletir uma prestação que distinga o premiado dos seus pares. Penso que é nesse sentido que o prémio deve ser entendido e a revista está, no fundo, a fazer o que talvez outras instituições pudessem fazer e penso ser uma iniciativa positiva.