Formação

Zirkonzahn abre centro de formação em CAD-CAM

Inaugurado em março, o novo espaço, resultado de uma parceria com a empresa Zirkonzahn, vai permitir a atualização digital dos alunos no campo das próteses.

A Zirkonzahn inaugurou em Portugal, no dia 27 de março, o seu primeiro centro de formação em CAD-CAM. Os alunos do curso de prótese dentária da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa (FMDUL) têm agora acesso a um ensino mais tecnológico e adaptado à realidade do mundo profissional, uma vez que os laboratórios nacionais de próteses dentárias são hoje altamente tecnológicos. A sala de formação está equipada com sete postos de trabalho: seis computadores, habitualmente utilizados pelos alunos, com software que permite desenhar próteses dentárias, e um outro computador, utilizado pelo professor para fazer as demonstrações. A lista de equipamento conta também com um scanner extraoral de bancada, uma fresadora e fornos de sinterização quer de metal, quer de zircónia. Ter uma sala assim equipada permite trabalhar com tecnologia digital todas as soluções prostéticas que hoje em dia se podem utilizar.

“Este centro é a ferramenta que o curso de próteses dentárias necessitava para tornar o ensino nas áreas tecnológicas da prótese dentária transversal no campo do digital”, explicou João Carlos Roque, regente das disciplinas de Prótese Fixa da licenciatura de Prótese Dentária da FMDUL.

Neste momento, os alunos podem fazer os projetos com técnicas tradicionais manuais, mas executando-as com recurso às tecnologias digitais. “É uma mudança de paradigma na aprendizagem, porque é passar daquilo que era o ensino tradicional apoiado na execução apenas manual, para ter também uma aprendizagem baseada nas tecnologias digitais e na utilização daquilo que está acessório à tecnologia digital”, reforçou o professor.

A inauguração contou com a presença de Enrico Steger, CEO da Zirkonzahn, que se mostrou “orgulhoso” pelo momento e sublinhou a sua paixão “por ensinar”. Em todo o mundo, a sua empresa tem vários centros de formação, uma iniciativa que, confessa, “economicamente não nos convém”. No entanto, o gosto pela formação supera essa desvantagem. “Gosto de investir na preparação, porque gosto quando as pessoas estão bem-educadas.” Enrico Steger acredita que “quanto mais educação as pessoas têm, melhor vivem e mais se aprecia o trabalho que fazem”.

Quanto à escolha da FMDUL para abrir o primeiro centro Zirkonzahn em Portugal, o CEO diz ter verificado que os alunos “estão bem preparados, têm muita vontade de crescer e nem todos os alunos revelam essas características”.

João Carlos Roque relembra ainda que os laboratórios em Portugal são tecnologicamente muito avançados, pelo que “faz sentido pensar que a aprendizagem seja também transversal a todas as áreas e que não incida só naquela área que hoje em dia é mais predominante”. Para o regente, esta é a verdadeira inovação deste projeto: “Dotar os nossos alunos à saída do curso com uma capacidade de poderem entrar em qualquer área já com uma aprendizagem de componente digital que depois possam vir a incorporar no trabalho nos laboratórios no seu futuro.” O professor relembra que os alunos de hoje são os profissionais do futuro. Ao terem contacto com esta marca e estes produtos, poderão depois, já nos seus laboratórios, optar pela marca Zirkonzahn porque já se sentem confortáveis com este método de trabalho.

Mas não são apenas os alunos da FMDUL que vão beneficiar desta iniciativa – o público em geral vai também ter acesso a esta tecnologia de vanguarda através da clínica da faculdade. O professor João Carlos Roque explica: “Os nossos alunos, no curso de prótese dentária, no seu terceiro ano, o último semestre é de estágio. E o estágio curricular é dividido: metade do tempo na faculdade e a outra metade em laboratórios comerciais fora da faculdade. No tempo em que estão na faculdade, executam as próteses para os pacientes que os alunos de medicina dentária atendem na clínica. Estas tecnologias vêm permitir que o fabrico das próteses seja mais agilizado e feito com novas tecnologias e novos materiais.”

A sessão de inauguração do Centro de Formação Zirkonzahn terminou com uma palestra de Enrico Steger, na qual o empresário reforçou a sua paixão pelo ensino e a importância de ter profissionais bem preparados e dedicados. “O mais importante é ter um sonho e, depois, se queremos ter uma boa vida, há uma coisa que funciona sempre: a disciplina”, disse Enrico Steger aos alunos que, no final do dia, se sentaram no auditório Professor Simões dos Santos para o ouvir.

O CEO da empresa deixou ainda dois conselhos finais: “A imagem é também muito importante, por isso devemos fazer um investimento nesse sentido […] e vender barato não funciona.”

A formação Zirkonzahn

 A Zirkonzahn tem 18 centros de formação em todo o mundo – a unidade portuguesa elevou a contagem para 19. Anualmente, a empresa investe cerca de um milhão de euros em formação.

Aos centros aliam-se ainda cursos, como por exemplo, a Ranger School, uma iniciativa que combina regras militares com o ensino de técnicas de prótese dentária. Os princípios transmitidos são de perseverança, agilidade e vontade para defender valores, bem como a humildade absoluta perante a natureza e a iniciativa inabalável de alcançar o seu objetivo. Durante seis meses, a equipa Zirkonzahn transmite todo o conhecimento aos jovens estudantes que se alistem nesta missão, na qual lhes será ensinado o essencial da arte e tecnologia odontológicas. Entre as atividades estão, por exemplo, cem minutos por dia de modelagem.

Outra oferta de destaque entre o vasto portefólio de formação da empresa é o curso CAD/CAM Milling, em que se revela o funcionamento básico dos sistemas de fresagem, e o software e as suas variadíssimas possibilidades de aplicação. Nesta formação, os alunos podem digitalizar, modelar e preparar fresadoras para a produção, fresar e finalizar as estruturas. Os formandos vão ainda aprender algumas dicas e truques para a manutenção das máquinas e para a organização de todo o processo de trabalho.

Todos os cursos visam valorizar os profissionais e reforçar a mensagem de que a “educação é o mais importante”.

Este artigo foi publicado originalmente na edição de maio/junho 2019 da revista SAÚDE ORAL.