Quantcast
Empresas

Straumann em recuperação após queda de 22% de receitas no primeiro semestre

As receitas do grupo Straumann caíram 22%, para 562 milhões de euros, no primeiro semestre de 2020 comparativamente ao período homólogo. Os dados constam do relatório apresentado pela marca de implantologia quanto aos primeiros seis meses do ano, com o CEO do grupo, Guillaume Daniellot, a admitir que, durante a pandemia, a faturação chegou a diminuir quase 70% no período mais difícil, em abril, antes de começar a recuperar, já em maio.

A tendência de recuperação continuou em junho, garante o grupo, recuperação esta em muito alavancada pela região Ásia-Pacífico, a menos afetada, com as receitas do primeiro semestre a atingir os 108 milhões de euros, representando 79% das vendas comparativamente ao mesmo período do ano anterior. Isto porque enquanto o negócio diminuiu na maioria dos países desta região no segundo trimestre, o crescimento das vendas na Coreia do Sul, Taiwan e China quase duplicou.

Nuno Costa-Santos passa a VP da zona EMEA

Contudo, a região que mais continua a contribuir para os resultados no grupo é a EMEA – Europa, Médio Oriente e África, que conta agora com o português Nuno Costa-Santos no cargo de vice-presidente chefe de DSO da região, depois de ter ocupado o cargo de vice-presidente e country manager em Portugal durante quase mais de dois anos. Segundo o relatório da Straumann, a área EMEA foi a que mais contribuiu para as receitas do grupo nos primeiros seis meses do ano, que ascenderam aos 249 milhões de euros, representando 80% das receitas do ano anterior.

A crise levou a empresa a adotar medidas rápidas para mitigar o impacto financeiro a curto e médio prazo, entre as quais reduções imediatas nos custos operacionais, trabalho subsidiado a tempo reduzido, reestruturação global e investimentos adiados.

O timing e o valor do impacto pandémico variaram consoante a região, segundo o relatório da marca.

Na América do Norte, as receitas do primeiro semestre ascenderam a 170 milhões de euros, 81% do nível correspondente do ano anterior. Reproduzindo o que ocorreu em outras partes do mundo, as receitas diminuíram rapidamente em março, quando o novo coronavírus se espalhou pela região. Posteriormente, quando o Canadá e partes dos EUA começaram a reabrir, as receitas aumentaram. A América Latina foi a região que registou um maior impacto.

Em julho, o Grupo Straumann assinou um acordo para adquirir uma participação maioritária no DrSmile, um dos fornecedores de soluções ortodônticas e de crescimento mais rápido na Europa. O grupo complementa assim o seu negócio com esta aquisição, à qual o CEO do grupo se referiu como uma “importante oportunidade estratégica de crescimento”.