Investigação

Qual o potencial das células estaminais mesenquimais para tratar lesões dentárias?

Qual o potencial das células estaminais mesenquimais para tratar lesões dentárias?

Um estudo clínico de fase 1 recentemente divulgado mostra que a implantação autóloga de células estaminais mesenquimais (MSCs) pode ser uma abordagem segura para o tratamento de pacientes com polpa dentária necrótica após trauma, uma vez que promove a regeneração progressiva do tecido da polpa dentária.

De acordo com a Crioestaminal, que numa nota enviada às redações partilha alguns dos primeiros resultados deste estudo, a investigação pretendeu avaliar a tolerância e segurança da implantação de células mesenquimais de origem dentária.

Para isso incluiu 40 doentes com idades compreendidas entre 7 e 12 anos, que apresentavam o tecido da polpa dentária em necrose após trauma. Aos dez jovens do grupo controlo foi efetuado o procedimento standard para este tipo de condição e aos restantes foram implantadas MSCs de origem dentária do próprio doente.

“Os dois grupos foram acompanhados durante 24 meses, não tendo sido observados sinais de rejeição ou inflamação após os procedimentos efetuados. Ao fim de 6, 12 e 24 meses verificou-se a regeneração progressiva do tecido da polpa dentária, com evidente formação das estruturas características deste tecido nos doentes tratados com MSCs. Tais resultados não se verificaram nos doentes intervencionados com o procedimento habitual”, revela a Crioestaminal.

Carla Cardoso, Investigadora do Departamento de I&D da Crioestaminal, explica que “pela capacidade regenerativa demonstrada e tendo sido observado que os resultados se mantiveram após 24 meses, esta abordagem poderá ser uma opção de tratamento para lesões dentárias após trauma, e vir a constituir uma alternativa aos procedimentos usados habitualmente. Contudo, serão necessários mais estudos para aferir a total segurança e eficácia desta abordagem terapêutica”.