Investigação

Pastas dentífricas à base de carvão ativado podem ser prejudiciais

Pastas dentífricas à base de carvão ativado podem ser prejudiciais

Um grupo de médicos dentistas britânicos desaconselha a utilização de pasta dentífricas à base de carvão ativado. De acordo com a publicação Dental Tribune, os médicos dentistas defendem que estas pastas de dentes, que prometem remover manchas e branquear os dentes, podem, afinal, ser prejudiciais para a saúde oral dos pacientes.

Em Portugal, a Associação de Defesa do Consumidor (DECO), já tinha alertado os consumidores para os perigos escondidos nestas pastas de dentes, explicando que “o carvão pode desgastar o esmalte, causar o recuo das gengivas e provocar sensibilidade dentária”.

O estudo agora publicado na revista British Dental Journal analisou 50 pastas dentífricas à base de carvão ativado e revela que apenas 8% contêm flúor, o que significa que oferecem uma proteção muito limitada contra as cáries dentárias.

Os investigadores explicam ainda que os materiais à base carvão ativado são, frequentemente, abrasivos, o pode danificar o esmalte dentário e as gengivas.  A popularidade dos produtos à base de carvão ativado está a aumentar, contudo, existem ainda poucos evidências da ação destes produtos como agentes branqueadores.