Saúde Oral

ONG cria ‘guia’ com recomendações para a redução da utilização de amálgamas dentárias

Utilização da amálgama dentária: restrições entram em vigor

Com o objetivo de ajudar os Estados-Membros da União Europeia a reduzir a sua utilização de amálgamas dentárias, medida aprovada em 2018 e que exige que, até julho de 2019, todos os países apresentem planos nacionais para a redução da sua utilização, a ONG Health Care Without Harm (HCWH) criou um guia com recomendações para ajudar os países da UE nesta transição.

Recorde-se que a proibição de colocação de amálgamas dentárias com mercúrio em crianças com menos de 15 anos e em mulheres grávida e a amamentar já está em vigor e que a proibição total da sua utilização deverá ser decidida em 2020 pela Comissão Europeia. As amálgamas dentárias contribuem para a acumulação de mercúrio no ambiente e são uma das maiores fontes de poluição. Para além disso, o mercúrio é um metal tóxico que já se provou afetar a saúde humana.

O documento agora apresentado pela HCWH oferece informação em relação à legislação atualmente em vigor, nomeadamente em relação à regulação adotada pela UE. Para além disso, conta com casos de estudo das melhores práticas para a redução das amálgamas dentárias em toda a Europa, assim como recomendações para que cada país construa o seu plano nacional.

A organização disponibilizou ainda uma ferramenta online para acompanhar o progresso de cada país na implementação dos seus planos de ação. Esta ferramenta usa dados dos ministérios nacionais de cada país, associações dentárias e outras fontes da UE.