Clínicas dentárias

Médis inaugura clínicas próprias e quer revolucionar a experiência dos clientes

Depois de apostar no lançamento de um seguro de saúde com cobertura exclusiva de Medicina Dentária, a Médis inaugurou duas clínicas dentárias, em Lisboa e Algés. O plano de expansão a quatro anos prevê a abertura de um total de 30 unidades nos principais centros urbanos, e apresenta um conceito disruptivo ao nível do atendimento, com aposta no digital, serviços diferenciadores e foco nas necessidades dos clientes.

Quando se entra pela primeira Clínica Médis, nas Amoreiras, em Lisboa, inaugurada a 17 de dezembro de 2018, os clientes podem rapidamente fazer o check-in automático, encaminhando-se para uma ampla sala de espera que foi pensada ao pormenor para tranquilizar pacientes mais ansiosos, mas também para que todos os que visitam o espaço se sintam confortáveis, como se estivessem em casa. A decoração clean remete para um ambiente único, onde até existe uma espécie de jardim interior que ajuda a relaxar. “Este conceito tem também como objetivo diminuir os medos e desmistificar alguns mitos relativos aos tratamentos dentários”, explica Pacheco Pinto, coordenador clínico da Clínica Médis.

“Todas as nossas clínicas terão todas as áreas de intervenção e o nosso processo de seleção dos médicos também é muito rigoroso”, acrescenta o coordenador clínico, que está diretamente envolvido na seleção dos profissionais que integram a equipa.

O digital tem uma forte presença nesta que vai ser “a clínica bandeira” de toda a restante rede, servindo de modelo às que hão de vir, e que, à partida, será a maior em dimensão. São 630 m2 generosos, com várias zonas onde os clientes podem esperar pela sua consulta, descansar, mas também trabalhar com o seu computador ou carregar o telemóvel no lounge criado para o efeito. A ideia é ser o menos convencional possível, e por esse motivo, a clínica não tem receção. Para os pacientes menos familiarizados com as novas tecnologias e / ou que privilegiem o contacto presencial, há gestores de clientes que prestarão todas as informações necessárias. São ainda disponibilizados tablets para que os pacientes possam assinar confortavelmente a anamnese e os consentimentos informados.

A clínica recorre a aromaterapia para afastar o cheiro típico e tão característico de algumas clínicas dentárias, e tem uma zona específica de espera para crianças. Houve ainda a preocupação de ter um horário alargado, das 9 h às 21 h, durante os dias úteis, e das 9 h às 18 h ao sábado, sendo também possível fazer marcações online de consultas.

Na primeira consulta, é feita uma avaliação da saúde oral do paciente e, explica Pacheco Pinto, é elaborado um plano de tratamento com uma visão 360º para ir ao encontro de todas as suas necessidades. “Todas as nossas clínicas terão todas as áreas de intervenção e o nosso processo de seleção dos médicos também é muito rigoroso”, acrescenta o coordenador clínico, que está diretamente envolvido na seleção dos profissionais que integram a equipa. “Temos protocolos clínicos já estabelecidos que nos garantem os padrões de qualidade que queremos atingir e proporcionar o melhor serviço aos clientes”, diz, sublinhando que o espaço das Amoreiras será a flagship (loja-âncora) que servirá de modelo às clínicas que irão abrir paulatinamente. Com um sistema informático robusto, todas as unidades estarão ligadas em rede e funcionarão de forma idêntica, tanto quanto possível, no que respeita a procedimentos, equipamentos e tratamentos.

Ver televisão ou ouvir música durante a consulta

A Clínica Médis nas Amoreiras conta com 12 gabinetes com luz natural, estando três em funcionamento atualmente, havendo “a possibilidade de abrir mais dois ainda este mês”, explica Pacheco Pinto. Com 14 médicos dentistas, uma higienista oral, assistentes dentárias exclusivas por gabinete, e sete gestores de clientes, a equipa lida com cada vez mais clientes: “A procura tem vindo a aumentar e a maior parte dos pacientes chega até nós por referência de outros, o que é um ótimo sinal”, diz o médico.

Em cada gabinete, é disponibilizado um ecrã no teto e é dada a possibilidade aos pacientes de escolherem o que querem ver. Na semana em que a equipa da SAÚDE ORAL visitou a clínica, tinha começado a ser testado um novo serviço, que consiste em disponibilizar uns headphones auriculares sem fios para que os clientes possam selecionar a música que querem ouvir durante a consulta, desde que haja condições para tal e que isso não prejudique o trabalho do médico dentista. “É uma opção sobretudo para adultos que não sejam muito colaborantes e que ficam mais ansiosos com a vinda ao dentista, mas também pode vir a funcionar com algumas crianças. Ainda estamos em fase de testes”, salienta Pacheco Pinto. “O objetivo é tornar uma ida ao dentista numa experiência agradável.”

Conforme comunica a seguradora, esta clínica dentária “é para todos e para cada um”, independentemente da idade, e de terem ou não seguro Médis. O objetivo é que os tratamentos dentários em família sejam prestados no mesmo local. Para tal, são asseguradas todas as áreas de intervenção da medicina dentária (dentisteria, odontopediatria, higiene oral, implantologia, estética dentária, ortodontia, endodontia, cirurgia oral, prostodontia, oclusão e periodontologia) e são providenciados todos os tipos de tratamento, dos mais simples aos mais exigentes e complexos. É também possível recorrer a urgências.

No final de cada consulta, e à semelhança do que acontece quando se entra na clínica, os pacientes que desejarem poderão vir a fazer o check-out automático num quiosque digital estrategicamente colocado à saída da zona de gabinetes. Ainda em fase de produção e desenvolvimento para dar tempo a que o sistema informático e online esteja suficientemente robusto, será adequado aos clientes que não queiram fazer um pagamento presencial e optem pelo multibanco ou MBWay. A fatura é posteriormente enviada por correio eletrónico, bem como a declaração de presença, se o cliente o necessitar. No que respeita às consultas futuras, todos os pacientes recebem um telefonema automático 48 horas antes, e um SMS, no dia anterior, a recordá-los da sua marcação.

Além do site, a Clínica Médis passou a ter presença no Facebook e no Instagram desde o Dia Mundial de Saúde Oral, comemorado no passado dia 20 de março, onde irão ser dinamizadas as novidades de todas as clínicas.

 

Pacheco Pinto, coordenador clínico

Plano de expansão a quatro anos

O objetivo é ambicioso e já está em velocidade de cruzeiro. O plano de expansão a quatro anos inclui a abertura de 30 clínicas, nos principais centros urbanos do país. Já este ano, no dia 29 de abril, foi inaugurada a segunda clínica, em Algés, estando previsto o arranque de outro espaço, na Avenida de Roma, em Lisboa, em finais de junho.

E a que se deveu esta aposta? “A Médis identificou uma grande lacuna, principalmente no plano da medicina dentária, uma vez que o Serviço Nacional de Saúde não consegue chegar à maioria das pessoas, sendo a primeira seguradora a entrar no mercado de serviços nesta área”, explica o coordenador clínico.

Com 17 anos de experiência profissional, o médico considera que tem havido uma evolução notória e que Portugal “tem profissionais de topo equiparados a outros no âmbito mundial”. Afirmando que tem havido uma mudança de mentalidades na forma como os Portugueses encaram os tratamentos dentários, sobretudo nas gerações mais jovens, refere o constrangimento económico como o maior desafio. “É uma realidade do País”, sublinha. No que respeita a evoluções tecnológicas e de equipamentos, recorda que, quando começou a exercer, “não havia raio-X digital” e que o paradigma tem vindo a mudar bastante também no campo do diagnóstico.

Pacheco Pinto licenciou-se em Medicina Dentária, em 2002, no Instituto Superior de Ciências da Saúde Sul (ISCS-SUL), e começou a trabalhar de imediato em consultas e enquanto generalista. “Comecei, no entanto, a desenvolver logo interesse pela área de cirurgia oral e fiz alguns cursos de aperfeiçoamento, como por exemplo, uma pós-graduação na área. A partir de 2005, dediquei-me em exclusivo à cirurgia oral”, conta. Seguiram-se anos de progresso na carreira, com uma grande aposta na formação, até que surgiu o convite por parte da Médis para o cargo de coordenação clínica de todas as unidades do projeto. Aceitou em setembro do ano passado e diz que o cargo tem sido “gratificante e representa uma enorme aprendizagem”. Quando questionado se pretende dedicar-se mais à gestão do que à prática clínica, garante que não. “Eventualmente terei de reduzir o tempo dedicado a consultas, mas o objetivo passa por continuar a exercer.”

Privilegiar o trabalho em equipa

A funcionar como uma espécie de laboratório, a Clínica Médis, nas Amoreiras, providenciará formação adequada aos médicos e assistentes dentários de todas as unidades. “Um colega que venha trabalhar connosco faz uma integração na clínica principal e é formado no sentido de receber os protocolos que definimos para todas as áreas para orientar o seu trabalho futuro e enquadrá-lo nos padrões elevados de qualidade que queremos ter”, refere Pacheco Pinto.

A ideia passa também pelo trabalho permanente em multidisciplinaridade. “Temos reuniões clínicas periódicas, funcionamos mesmo em equipa e discutimos os casos clínicos entre todos. Cada um dá o seu parecer por forma a chegarmos, em conjunto, à melhor resolução, sobretudo em casos mais complexos”.