Médicos Dentistas

Médicos dentistas em Portugal e Espanha realizam recomendações de prevenção do coronavírus

Médicos dentistas em Portugal e Espanha realizam recomendações de prevenção do coronavírus

A situação sanitária causada atualmente pela epidemia do COVID-19 é um motivo de preocupação para todos os profissionais de saúde. Com a propagação do vírus e com a confirmação de cada vez mais casos na Europa, principalmente em Itália, várias entidades europeias começaram a emitir orientações específicas para a respetiva prevenção.

A Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) publicou no seu site uma nota sobre a infeção pelo novo coronavírus (2019-nCOV), com base na informação divulgada pela Direção-Geral de Saúde (DGS) para os profissionais no sistema de saúde.

No país vizinho, o Conselho-Geral de Dentistas de Espanha recomendou a adoção de precauções e o reforço de medidas universais de prevenção perante a prestação de cuidados a pacientes. Sabe-se que o vírus se dissemina principalmente através de gotículas respiratórias e por contacto direto com secreções infetadas. No caso dos dentistas, a prática profissional representa um risco muito elevado de aspiração de gotícolas e a distância de trabalho é, por norma, inferior a um metro.

Recomendações específicas
Para profissionais de saúde que estão em risco (como é o caso da medicina dentária), o Conselho-Geral de Dentistas espanhol recomenda o uso de máscaras valvuladas FFP2. Caso continue a utilizar a máscara cirúrgica habitual, é recomendável que a mude a cada duas horas para evitar a sua deterioração e perda de eficácia.

Devem também ser usadas luvas, bata e proteção apertada para os olhos, afirma o mesmo órgão. As mãos devem ser bem lavadas antes e depois do procedimento do paciente. A higiene do espaço também deve ser cuidada, pelo que todas as superfícies de trabalho e o ambiente devem ser imediatamente limpos e desinfetados. Pode ser utilizada, por exemplo, uma solução de hipoclorito de sódio de 1000 ppm de cloro cativo (diluição 1:50 de uma lixívia de 40-50 g/litro recentemente preparada).

Estes vírus são inativados após cinco minutos de contacto com desinfetantes normais, como a lixívia doméstica. As normas universais de desinfeção e esterilização devem ser minuciosamente seguidas, alerta a entidade.

Na relação com os pacientes, os médicos dentistas devem também, segundo o Conselho, ponderar os critérios epidemiológicos e clínicos internacionais para o novo coronavírus 2019-nCoV.

No caso dos critérios epidemiológicos, é necessário ter atenção a qualquer pessoa com histórico de viagens à província de Hubei, China, nos 14 dias anteriores ao início dos sintomas, ou qualquer pessoa que, nesse período, tenha estado em contato próximo com um possível infetado.

No caso dos critérios clínicos, acrescenta a entidade espanhola, é necessário ter atenção a qualquer pessoa com sintomas clínicos compatíveis com uma infeção respiratória aguda, que apresente febre e dispneia, tosse ou mal-estar geral.

Se o paciente apresentar pelo menos um critério epidemiológico acompanhado de pelo menos um critério clínico, deve adiar-se o tratamento dentário (exceto em situações de emergência) até que o caso seja esclarecido, sentencia o Conselho-Geral de Dentistas de Espanha. Nestas situações, o paciente deve ser equipado com uma máscara cirúrgica antes de ser encaminhado.