Investigação

Língua humana tem capacidade de detetar odores

Língua humana tem capacidade de detetar odores

Os ‘sensores’ que permitem ao nariz humano detetar odores também estão presentes nas células humanas responsáveis pela deteção de sabores na língua humana, o que significa que a língua humana também é capaz de detetar odores. A conclusão é de um estudo de investigadores do Monell Chemical Senses Center, em Filadélfia, nos EUA, que sugere que as interações entre os sentidos que nos permitem cheirar e saborear podem começar na língua e não no cérebro, como até aqui se pensava.

Mehmet Hakan Ozdener, biólogo celular e autor principal do estudo, afirma que esta descoberta “ajuda a explicar como é que as moléculas do odor modelam a perceção de sabor. Isto pode levar ao desenvolvimento de modificadores de sabor baseados no odor que permitam combater o excesso de sal, açúcar e gorduras consumidas e associadas a doenças como a obesidade e a diabetes”.

Até agora, pensava-se que os sentidos associados ao sabor e ao odor eram independentes e não interagiam até que as respetivas informações chegassem ao cérebro. Os autores do estudo pretendem agora iniciar uma nova investigação para perceber se os recetores olfativos estão preferencialmente localizados numa célula específica, nomeadamente nas células que detetam o doce e o salgado, e para explorar a forma como as moléculas associadas ao odor modificam as respostas das células associadas à deteção de sabor.