Tecnologia

Investigadores vão criar app com IA para detetar sinais precoces de cancro oral

Um grupo de investigadores da Universidade de Kingston, no Reino Unido, e da Universidade de Malaya, na Malásia, vai receber financiamento para desenvolver uma funcionalidade para uma aplicação com inteligência artificial (IA) com capacidade para detetar os sinais precoces de cancro oral.

De acordo com a plataforma Oral Cancer News, esta funcionalidade será integrada na app Cancer Research Malaysia’s Mobile Mouth Screening Anywhere (MeMoSA), que permite aos pacientes fazerem o upload de fotografias de cáries dentárias para análise remoto de médicos dentistas.

Com o financiamento agora concedido, os investigadores irão ‘treinar’ um sistema suportado em machine learning para ter a capacidade de distinguir imagens nas quais são apresentados sinais de cancro oral.

Sarah Barman, professora de Ciências da Computação na Universidade de Kingston e líder do projeto, afirma que “o desafio é desenvolver modelos de aprendizagem com elevada precisão e que tenham a capacidade de ‘prever’ a doença. Se percebermos que esta abordagem é fiável, a inteligência artificial poderá ser usada para rastrear e diagnosticar outras doenças”.

O cancro oral é o oitavo tipo de cancro com maior prevalência em todo o mundo, com cerca de 300 mil casos diagnosticados anualmente. Portugal tem uma das taxas de incidência e mortalidade por cancro oral mais elevadas da Europa, com 15 casos de cancro oral por cada 100 mil habitantes, de acordo com dados da Ordem dos Médicos Dentistas e do Grupo de Estudos de Cancro de Cabeça e Pescoço (GECCP) divulgados no início do ano.