Investigação

Investigadores portugueses podem ter encontrado solução para as cáries dentárias

Um grupo de investigadores das faculdades de Ciências e Tecnologia (FCTUC) e de Medicina (FMUC) da Universidade de Coimbra anunciou esta segunda-feira (10 de dezembro) a criação de uma tecnologia baseada na molécula orgânica natural que impede a formação de placa bacteriana, processo que leva ao desenvolvimento de cáries dentárias.

De acordo com a Lusa, a metodologia criada pelos investigadores nacionais chama-se ‘biolocker‘ e deverá chegar ao mercado “dentro de dois anos”, o que “representará uma mudança de paradigma na higiene oral, prevenindo a formação precoce da placa bacteriana, sem efeitos antimicrobianos, ao contrário das soluções de cuidados orais clássicas”.

Os investigadores portugueses explicam que os atuais métodos de tratamento eliminam as boas e as más bactérias, o que pode danificar a flora oral, que “é extremamente benéfica para a saúde geral do organismo”.

A inovação está neste momento em processo de registo de patente internacional e distingue-se, sobretudo, pela “capacidade de bloquear as principais interações bacterianas que ocorrem após a ingestão de alimentos, ou seja, impossibilita a ação das bactérias que lideram o processo de formação da placa bacteriana, as designadas colonizadoras iniciais”.

“Como estas bactérias (género streptococcus) funcionam como alicerce, ao retirar a âncora impedimos que todas as bactérias a jusante se possam fixar”, acrescentam ainda os cientistas de Coimbra.

Citado pela Lusa, Sérgio Matos, médico dentista e professor da FMUC, explica que ao nível da saúde pública, esta técnica é uma contribuição para a prevenção de problemas dentários, “permitindo que, através de uma tecnologia massificada e barata, a população passe a ter acesso a uma melhor higiene oral”.

“Em Portugal, a saúde oral é maioritariamente proporcionada por cuidados privados e, consequentemente, muito onerosos. A maneira mais eficaz de podermos combater todas as patologias da cavidade oral é através da prevenção, reduzindo custos com tratamentos”, defende.