Quantcast
 

Investigadores comprovam segurança de tratamento dentário em grávidas

Investigadores comprovam segurança de tratamento dentário em grávidas

De acordo com um estudo publicado, na edição deste mês, do “The Journal of the American Dental Association”, as mulheres grávidas podem ser, de forma segura, submetidas a tratamentos dentários básicos, podendo receber anestesia tópica e local entre a 13ª e 21ª semanas de gestação.

Os investigadores da University of Minnesota School of Dentistry, em Minneapolis, compararam os efeitos positivos do ensaio clínico Obstetrics and Periodontal Therapy, no qual as grávidas receberam uma limpeza profunda e tratamentos dentários básicos (tratamento de dentes fracturados de modo moderado a severo ou com abcessos).
Assim, os cientistas escolheram, aleatoriamente, 823 mulheres grávidas com periodontite que receberam uma limpeza profunda, durante a 13ª e a 21ª semanas de gestação. Os investigadores determinaram que 483 grávidas daquele grupo necessitavam também de tratamento dentário essencial, sendo que 351 daquelas mulheres completaram o tratamento recomendado.
Durante o ensaio, enfermeiras obstetras analisaram os registos médicos para monitorizar alvos de efeitos adversos graves. Os autores definiram estas situações como gravidezes que resultaram em nados-mortos ou ocorrências complicadas que não resultaram no término da gravidez, incluindo períodos de hospitalização superiores a 24 horas devido a dores de parto, entre outras.
Em conclusão, segundo os autores, os resultados demonstraram que o «tratamento periodontal e o tratamento dentário básico, administrados entre a 13º e 21º semanas de gestação, não aumentaram significativamente o risco de qualquer efeito adverso». O uso de anestésicos locais ou tópicos também não se revelou associado a um risco aumentado destas ocorrências indesejadas.

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde oral?