Saúde

Instituto de Saúde Baseada na Evidência nasce em Lisboa

Instituto de Saúde Baseada na Evidência nasce esta quinta-feira em Lisboa

O Instituto de Saúde Baseada na Evidência (ISBE) é hoje (12 de setembro) apresentado em Lisboa. A instituição pretende ajudar decisores, médicos e pacientes a fundamentar as suas escolhas com informação científica validada e de qualidade.

Em declarações à agência Lusa, António Vaz Carneiro, um dos investigadores associados do ISBE, explica que “cada vez mais vamos necessitar de informação científica de alta qualidade. […] Tudo vai necessitar de informação a quatro níveis: os políticos responsáveis têm de ter mais informação de alta qualidade para decidir sobre políticas públicas, os médicos também para decidirem sobre as terapêuticas, os administradores para definir sobre as estratégias a usar e os próprios doentes”.

O objetivo é que quem recorra a este instituto possa ter uma análise cientificamente fundamentada da aplicação de determinada medida, análises de fluxo de doentes, no caso dos administradores hospitalares, ou informação científica sobre medicamentos de segunda linha, no caso dos médicos.

“Não há cá opiniões. Apenas mostramos a ciência. Os sistemas modernos vão necessitar massivamente de informação. Daqui a cinco ou dez anos ninguém vai decidir bem sem a informação necessária e institutos como este vão ocupar um espaço muito determinante”, disse ainda à Lusa António Vaz Carneiro.

O ISBE terá como associados institucionais a Faculdade de Medicina e a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa. Além disso, como associados investigadores conta com personalidades como o ex-ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes e a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos, Ana Paula Martins. A organização tem ainda parceiros provados como a Associação Nacional de Farmácias (ANF), a Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma) e a Plataforma Saúde em Diálogo (que representa os doentes) e a Associação Portuguesa da Hospitalização Privada.

Para já, as áreas prioritárias de investigação serão a epidemiologia e big data, a inteligência artificial na saúde, a saúde pública e as políticas de saúde, investigação de resultados, avaliação de tecnologias da saúde e a translação do conhecimento.