Investigação

Infeções orais na infância podem ser fator de risco para desenvolvimento de arteriosclerose

Infeções orais na infância podem ser fator de risco para desenvolvimento de arteriosclerose

As infeções orais desenvolvidas durante a infância, nomeadamente as cáries dentárias e as doenças periodontais, podem estar associadas a um maior risco de desenvolvimento de arteriosclerose na vida adulta.

A conclusão é de um estudo realizado por investigadores do Departamento de Doenças Orais e Maxilofaciais da Universidade de Helsínquia, na Finlândia, que acaba de ser publicado na revista científica Journal of the American Medical Association (JAMA). De acordo com os autores do estudo, que durante 27 anos acompanharam uma amostra de 755 crianças a partir dos 6, 9 e 12 anos de idade, a qualidade da saúde oral na infância pode determinar a probabilidade de desenvolvimento de arteriosclerose mais tarde na vida.

Durante o período de análise, os investigadores mediram os fatores de risco cardiovascular, nomeadamente através da medição da camada íntima-média da parede da artéria carótida, e realizaram exames orais a todos os pacientes, identificando sinais de infeção e inflamação oral, como cáries dentárias, obturações dentárias, sangramento e profundidade das bolsas das gengivas.

Os resultados revelam que 68% das crianças tinha sinais de sangramento, 87% possuía pelo menos uma cárie dentária, 82% tinha obturações dentárias e cerca de 54% das crianças possuía bolsas periodontais. Apenas 5% das crianças tinha uma cavidade oral totalmente saudável, enquanto 61% tinha pelo menos um dos quatro sinais de infeção oral analisados.

Para além disso, o estudo indica que tanto as cáries dentárias como a doença periodontal na infância estão significativamente associadas ao aumento da espessura da camada íntima- média da parede da artéria carótida na vida adulta, um dos fatores responsáveis pela progressão da arteriosclerose e pelo aumento do risco de enfarte do miocárdio.

Leia o estudo em detalhe aqui.