Estados Unidos: Especialistas defendem que carência nos cuidados orais deve ser analisada

O acesso aos cuidados de saúde oral deve ser alvo de maior atenção na avaliação de políticas de saúde, numa altura em que mais de 100 milhões de norte-americanos carecem de seguro dentário.

O alerta foi lançado num encontro patrocinado pela Alliance for Health Reform e pela Kaiser Family Foundation’s Commission and Medicaid and the Uninsured, segundo noticiou o “Medical News Today”.
De acordo com Jack Bresh, da American Dental Education Association, nos últimos 15 anos, o número de áreas, nos Estados Unidos, prejudicadas face à carência de profissionais de saúde oral passou de 792 para mais de 3.700.
Burt Edelstein, do Children´s Dental Health Project, esclareceu também que a carência se verifica apenas ao nível de médicos dentistas generalistas.
Alguns estados, para combater a crescente falta de profissionais, autorizaram os higienistas dentários que possuem um elevado nível de formação e certificação a realizar alguns procedimentos dentários e a providenciar cuidados preventivos sem a supervisão de um médico dentista.
Os oradores discutiram ainda a disparidade existente entre o State Children’s Health Insurance Program (SCHIP) e as taxas de reembolso da Medicaid para os médicos de clínica geral e médicos dentistas e concluíram que apesar dos os planos de saúde pública cobrirem os cuidados dentários, os reembolsos são tão baixos que muitos médicos dentistas não os aceitam.
Vários oradores presentes no encontro afirmaram que a prestação de cuidados de saúde oral deve continuar a ser incluída na legislação de re-autorização do SCHIP.