Médicos Dentistas

Em seis mil candidaturas de estudantes estrangeiros, medicina dentária lidera escolhas

A GEDS, empresa portuguesa fundada em 2015 e “especializada em programas dedicados à educação privada na área da saúde”, recebeu seis mil candidaturas de estudantes estrangeiros com interesse em frequentar universidades portuguesas. Os cursos mais procurados do seu programa são a medicina dentária, medicina veterinária, fisioterapia, ciências farmacêuticas, ciências biotecnológicas e osteopatia.

A empresa que promove a mobilidade estudantil já tinha anunciado em maio que seriam colocados 500 estudantes estrangeiros, que serão colocados nos polos do Porto, Coimbra e Almada, entre cooperativas privadas e universidades parceiras do programa. O processo de seleção será decorrerá até 3 de julho e a colocação em setembro.

A Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU), na região do Porto, a Escola Universitária Vasco da Gama (EUVG), em Coimbra, e a Cooperativa de Ensino Superior Egas Moniz (CESEM), em Almada, são as instituições incluídas no programa dedicado ao ensino privado na área da saúde.

“De um total de seis mil candidaturas, a GEDS permitiu às instituições de ensino superior portuguesas selecionar quatro mil de acordo com os critérios de elegibilidade das universidades portuguesas, das quais mais de duas mil foram e serão entrevistadas para avaliar o trabalho e a capacidade de reflexão do candidato, a autonomia e maturidade para seguir um curso europeu internacional, a capacidade linguística para aprender uma língua estrangeira – português – no prazo de um ano e o conhecimento aproximado ou experiência prática da profissão que pretende seguir”, refere o comunicado de imprensa citado pela Dinheiro Vivo.

A GEDS realizará o processo administrativo das candidaturas, bem como cursos de língua portuguesa para que os estudantes tenham a possibilidade de se integrar mais facilmente.

“O principal objetivo destas entrevistas é avaliar a capacidade dos estudantes para completar com êxito a formação que receberão, a fim de garantir que serão os profissionais mais acreditados quando entrarem no mercado de trabalho. Como temos muito mais candidatos do que vagas, as nossas universidades têm a oportunidade de selecionar os melhores candidatos e proporcionar-lhes uma excelente formação nas principais universidades, posicionando assim Portugal como um país de acolhimento de candidatos internacionais”, disse Gilles Belissa, fundador e CEO da GEDS.