Ensino

Quem deve definir vagas nas faculdades?

Apenas metade dos cheques-dentista emitidos no Alentejo foram utilizados

Orlando Monteiro da Silva, bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) defende que as ordens deveriam ser ouvidas para a atribuição do número de vagas nas faculdades nacionais. O Presidente do Conselho Nacional das Ordens Profissionais (CNOP) sugeriu que a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) faça essa recomendação ao Governo e alertou ainda para o consecutivo aumento anual do número de médicos dentistas, tendência que não acompanha as necessidades do país.

Para o bastonário da OMD é preciso adequar a formação em medicina dentária . “Com a contribuição dos ministérios da Educação e da Saúde, e em articulação com as faculdades, poderia ser evitada a formação de profissionais sem ter em conta o grau de empregabilidade que Portugal oferece”, defendeu durante uma reunião do Conselho Consultivo da A3ES.

Já o Presidente do Conselho de Administração da Agência, Alberto Amaral, defendeu que é preciso melhorar o diálogo entre o ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e o ministério da Saúde, no sentido de articularem a adequação do número de vagas em medicina dentária, medicina, psicologia e outras áreas da saúde às necessidades do país.

Durante este encontro, que contou com representantes de várias ordens profissionais, esteve ainda em debate a emigração e a mobilidade profissional qualificada, que afeta vários setores.

1 Comment