- Saude Oral - https://www.saudeoral.pt -

Como proporcionar uma atenção odontológica adequada a idosos?

Que aspetos são imprescindíveis e devem ser melhorados na atenção odontológica dada aos maiores de 65 anos? Um artigo da Gaceta Dental [1] explica sete desses aspetos, com base em testemunhos de profissionais da área.

A importância da história clínica é um desses aspetos. Segundo o chefe do serviço de geriatria do Hospital Central de la Cruz Roja «San José y Santa Adela», Javier Gómez Pavón, “os idosos [2] são um grupo muito heterogéneo, com peculiaridades que os tornam diferentes, como ter um maior número de comorbilidades com a polifarmácia e com as suas próprias condições funcionais e psicossociais”.

 

“O meu principal conselho é a realização de uma abordagem abrangente ao paciente idoso, constituída por uma avaliação geriátrica adequada que abranja não só a clínica habitual (história pessoal, medicação), mas também uma avaliação funcional, mental e social que condicione tanto a sua patologia como o leque de tratamentos a realizar”.

Outro aspeto é a formação sobre as patologias. “Quando um profissional se depara com este tipo de paciente, seria desejável que ele tivesse conhecimento dessas doenças e desses tratamentos para saber como deve lidar com estes pacientes e poder propor tratamentos alternativos”, expõe o presidente da Sociedad Española de Gerodontología , José Mª Martínez.

 

A gestão dos pacientes com demência é também importante. O professor da Faculdade de Medicina e Odontologia da Universidade de Valência, José Manuel Almerich, explica que deve ter-se em conta “a saúde oral do paciente com demência” que “está condicionada à competência do cuidador principal para que tanto a alimentação como a higiene oral assistida sejam adequadas. Os procedimentos preventivos e a terapêutica não operativa da cárie dentária são especialmente importantes na manutenção de condições orais dignas destes pacientes. É da responsabilidade do médico dentista reconhecer precocemente e alertar para a importância da prevenção nestas situações”.

Os outros quatro aspetos são:

  1. Atenção ao paciente institucionalizado, através da criação de um plano de saúde oral no âmbito residencial de cumprimento legal obrigatório;
  2. Prevenção e deteção de doenças associadas;
  3. Tratamentos menos agressivos;
  4. Tempo e dedicação no âmbito das consultas: estar disponível para ouvi-lo, uma vez que os idosos são por vezes desconfiados do resultado final.