Saúde Oral

Clínicas dentárias na Dinamarca e Noruega reabrem

Clínicas dentárias na Dinamarca e Noruega reabrem

As clínicas dentárias na Dinamarca foram autorizadas a reabrir no início desta semana, e na Noruega, os médicos dentistas voltaram ao trabalho, alargando os tratamentos a situações não urgentes.

Os governos destes países anunciaram que irão flexibilizar algumas restrições, mantendo em vigor as medidas rigorosas de controlo das infeções. Apenas deverão regressar ao trabalho aqueles cujas instalações e atividades comerciais respeitem as orientações em matéria de saúde, garantindo as medidas de afastamento social, como o distanciamento de dois metros e a proibição de ajuntamentos de mais de dez pessoas.

Contudo, os profissionais do setor temem que o fornecimento de equipamento de proteção individual (EPI) possa não ser suficiente.

“A partir de hoje [20 de abril], os dentistas podem agora recomeçar a trabalhar. As curvas que representam novas infeções e mortes pelo vírus estagnaram significativamente, tendo sido dito aos consultórios dentários que podem reabrir sob determinadas condições. Por exemplo, ninguém pode vir ao consultório sem marcação e é preciso deixar muito tempo entre os pacientes para que o pessoal possa efetivamente desinfetar”, explicou Peter Lembke Gerdes, CEO da rede profissional DentaNet para dentistas na Dinamarca e Noruega, citado pela Dental Tribune International.

Segundo Gerdes, o anúncio realizado pelo governo dinamarquês foi bem-vindo, uma vez que os profissionais do setor atravessaram dificuldades devido ao encerramento das suas clínicas, e, apesar de terem sido “oferecidos muitos subsídios e pacotes de ajuda a todo o tipo de empresas”, os proprietários de consultórios sentiram que não estavam a receber ajuda suficiente.

“Há muita preocupação em voltar ao trabalho e em saber se os dentistas terão equipamento de proteção suficiente e quanto tempo durará o seu stock. Alguns dentistas comentaram que, com o novo regulamento, talvez só possam gerir a sua clínica a plena capacidade durante cerca de 14 dias antes de ficarem sem equipamento de proteção”, explica o CEO.

A potencial escassez de EPI poderia levar a que os dentistas na Dinamarca tivessem de racionalizar os mesmos, dando maior prioridade aos tratamentos de emergência, ou a tratamentos de alto custo que lhes permitam compensar parte das suas perdas de receitas.

“Os dentistas poderão tentar fazer um rastreio de quem mais necessita de tratamento — ou talvez quais os tratamentos que lhes permitam obter os melhores rendimentos”, acrescentou.

Em Portugal, até ao momento, apesar de se ponderar o alívio das medidas de restrição a partir do próximo mês, ainda não existe uma previsão para o levantamento das restrições de exercício de atividade profissional do setor.