Saúde Oral

Cancro oral é o sexto mais comum em Portugal

Cancro oral é o sexto mais comum em Portugal

O cancro oral é o sexto mais comum em Portugal, mas são poucos os portugueses que sabem que existe um autoexame para identificar precocemente a doença, à semelhança do que acontece com o cancro da mama. O alerta é dado pelo médico dentista João Braga, do Best Quality Dental Centers (BQDC).

“Numa consulta de medicina oral, o médico dentista efetua um exame visual de toda a cavidade oral e estruturas anexas, permitindo que lesões suspeitas sejam detetadas em fases precoces. Com estas consultas é possível efetuar um rastreio da doença, identificar/tratar lesões potencialmente malignas, ensinar o paciente a efetuar o autoexame da cavidade oral”, refere.

Os pacientes de risco, “nomeadamente fumadores, pessoas com hábitos etílicos, pessoas regularmente expostas à radiação solar (cancro do lábio). E são também importantes para a educação e sensibilização da população para a problemática do cancro oral”.

O médico dentista diz ainda que a cavidade oral faz parte do organismo e, por isso “todos os seus problemas poderão afetar a saúde geral. Está também comprovado que existe uma associação entre grandes níveis de placa bacteriana e morte prematura por cancro (…) já que as mesmas bactérias que causam periodontite têm um papel importante no desenvolvimento de cancro pancreático e cancro do trato gastrointestinal superior. A inflamação potencia alterações celulares, propagação de bactérias e fatores de virulência bacterianos por todo o corpo. Todos estes fatores podem ser preponderantes para o desenvolvimento de doenças oncológicas.”

João Braga acredita que a saúde oral ainda é uma área negligenciada. “Embora se observe, cada vez mais, o alerta por parte da equipa médica para a importância da saúde oral, penso que os doentes portugueses com cancro ainda não estão completamente sensíveis da sua importância para o seu tratamento e bem-estar. Há uma tendência para se preocuparem apenas com os problemas mais graves e negligenciar tudo o resto”.