Saúde

Cancro da cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

Cancro da cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

Na semana em que decorre a sétima edição da Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço, a presidente do Grupo de Estudos de Cancro de Cabeça e Pescoço, Ana Castro, revelou que este tipo de doença oncológica mata três portugueses por dia.

Citada pela agência Lusa, Ana Castro revelou que “morrem três portugueses por dia com esta doença e aquilo que nós queremos é que sejam diagnosticados mais cedo”. De acordo com a médica, quanto mais cedo o cancro for diagnosticado maior é a probabilidade de cura. “Nós conseguimos curar 90% dos doentes nessa fase e se diagnosticarmos muito tarde vamos conseguir curar apenas cerca de 20%”, disse ainda.

A presidente do Grupo de Estudos de Cancro de Cabeça e Pescoço afirmou que a entrada de médicos dentistas no Serviço Nacional de Saúde é um passo “muito positivo” porque “permite a mais gente ter acesso a cuidados de saúde oral”, um dos fatores de risco do cancro de cabeça e pescoço.

Filipe Freitas, da Ordem dos Médicos Dentistas, disse também durante o evento de arranque da Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço que o médico dentista tem um papel fundamental na prevenção e diagnóstico precoce da doença.

“No nosso contacto regular com o doente estamos numa posição privilegiada para idealmente, a cada seis meses, podermos identificar lesões numa fase inicial”, referiu, revelando ainda que desde que foi implementado, em 2014, o Projeto de Intervenção Precoce do Cancro Oral (PIPCO) já detetou 440 lesões malignas ou pré-malignas.

O cancro oral é o sexto mais comum em Portugal, mas são poucos os portugueses que sabem que existe um autoexame para identificar precocemente a doença, à semelhança do que acontece com o cancro da mama.