Médicos Dentistas

10% dos dentistas portugueses exerce no estrangeiro

10% dos dentistas portugueses exerce no estrangeiro

10% dos médicos dentistas nacionais exercem a sua profissão noutros países. A notícia é avançada pelo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), Orlando Monteiro da Silva, que em declarações ao jornal Público indica que o Reino Unido ‘alberga’ 34% dos médicos dentistas portugueses que exercem no estrangeiro.

Números preocupantes segundo o bastonário da OMD, que afirma que “andamos a formar dentistas para irem trabalhar no estrangeiro”. No final de 2017, a Ordem dos Médicos Dentistas tinha 11 387 médicos dentistas registados, 1420 dos quais estavam inativos. De acordo com Orlando Monteiro da Silva, “a esmagadora maioria” dos que surgem como inativos “foi porque optaram por exercer no estrangeiro, onde, trabalhando menos horas, ganham entre cinco a dez vezes mais do que em Portugal”.

A estes poderão ainda somar-se aqueles que “optam por não comunicar a saída do país e continuam a pagar os 15 euros mensais para se manterem ligados à Ordem”, diz em declarações ao Público.

O bastonário revela ainda que um diagnóstico à empregabilidade recentemente feito pela OMD indica que 77% dos médicos dentistas que estão a exercer no estrangeiro assumem que saíram de Portugal para melhorar as condições remuneratórias e 70% declararam que não têm intenção de regressar por não acreditarem ser possível replicar em Portugal as condições de trabalho de que dispõem lá fora.

“Cerca de 40% dos médicos dentistas em Portugal ganham menos de 1500 euros brutos. A maioria está empregada em empresas ou estruturas e ganham uma percentagem sobre os tratamentos, sendo que os doentes escasseiam na prática privada e temos neste momento uma média de entre 500 a 600 profissionais a saíram das faculdades todos os anos”, refere.