Medicina Dentária

Os desafios e o impacto da era digital na medicina dentária

Os desafios e o impacto da era digital na medicina dentária

A edição deste ano da Reunião Anual de Medicina Dentária e Estomatologia de Coimbra decorre nos dias 12 e 13 de abril. Estivemos à conversa com João Paulo Tondela, presidente da comissão organizadora, que levantou um pouco do véu sobre o que está a ser preparado para este ano.

É certo que não se pode evitar a chegada das novas tecnologias na medicina dentária e João Paulo Tondela tem perfeita consciência disso. “Não antecipamos nada, mas estamos a trazer as novas tecnologias para o diagnóstico, planeamento e tratamento dos pacientes em reabilitação oral”. E são estes novos tratamentos que vão estar em destaque, de 12 a 13 de abril, em Coimbra, durante a Reunião Anual de Medicina Dentária e Estomatologia.

“Vamos centrar atenções nos desafios e no impacto que a era digital trouxe à Medicina Dentária, bem como os novos métodos e as recentes tecnologias que estão a ser usadas”. O congresso, vocacionado para médicos dentistas e estomatologistas generalistas e alunos de medicina dentária, foca várias temáticas, desde a medicina oral, endodontia, assim como a importância da integração de ferramentas digitais no planeamento, diagnóstico e plano de tratamento.

“Este programa foi feito à imagem de toda a comissão organizadora, que orienta os temas e seleciona os oradores, validados pela comissão científica, sendo que não se esgota nos dois dias do congresso”, refere João Paulo Tondela. Isto porque estão programadas sessões pré-congresso, “mais aprofundadas e dirigidas a médicos dentistas, estomatologistas e alunos em formação do Mestrado Integrado”. Entre os temas abordados nestes cursos destaque para Microimplantes em Ortodontia ou o Curso Teórico-Prático de Colagem de fragmentos dentários em Traumatologia.

Conferencistas nacionais e estrangeiros

Um olhar mais atento ao programa do Congresso permite perceber que os médicos dentistas portugueses vão fazer palestras intercaladas com apresentações conduzidas por médicos dentistas internacionais, como são os casos de Nicola Scotti, que irá abordar a reabiltação da zona estética com resinas compostas diretas, ou Ugo Covani, que irá centrar atenções na essência dos princípios da modelação tecidular na interface implante- plataforma protética em Reabilitação Oral.

“É a primeira vez que estes conferencistas estrangeiros vão estar em Portugal”, sublinha João Paulo Tondela, que chama ainda a atenção para a presença de Bruno Pereira da Silva, com uma palestra agendada para a manhã de 13 de abril sobre Facial Flow – A nova Análise Orofacial. “Este orador fez a sua formação em Coimbra e depois seguiu para Nova Iorque, onde fez a formação pós-graduada. Entretanto sedeou a sua atividade em Espanha, com muitas conferências no estrangeiro. Penso que é a primeira vez que está num cartaz principal num congresso em Portugal”.

Uma oportunidade única para conhecer o Facial Flow, que aborda a integração das novas tecnologias no diagnóstico e planeamento da reabilitação. “É uma forma individual e personalizada de integração orofacial das reabilitações, uma admissão da individualidade que passa por admitir algumas assimetrias que tornam a imperfeição mais perfeita”. A moda do sorriso perfeito estandardizado está a cair em desuso e o “facial flow está nessa linha – passa por esquecer o sorriso standardizado, adotar uma filosofia “tailor made” individualizada e assumir as imperfeições”.

O programa conta ainda com outros oradores de peso, como é o caso de João Mouzinho, que abre o programa no dia 12 de abril com uma palestra sobre Planeamento Multidisciplinar – ‘By failing to prepare, you are preparing to fail’ – a arte do planeamento multidisciplinar. De seguida, Waldo Zarco e Beatriz Nieto dividem o palco para abordar o Planeamento Virtual Protético.

A dupla André Mariz Almeida e Ricardo Dias vão centrar atenções na Oclusão, mais propriamente no Bruxismo após o Consensus 2018. O dia 12 termina com temas essenciais de todos os dias com António Mano Azul e Pedro Trancoso que irão abordar a Cirurgia, Biópsias e Patologia Oral mais frequente: do diagnóstico ao tratamento; ao final da tarde terá a palestra de Endodontia com Filipe Aguilar e Miguel Matos: A evolução da instrumentação, do aço ao ‘ouro’, laboratório ao vivo.