Clínicas Dentárias

Oralmed vai abrir 8 novas clínicas até ao final de 2018

Oralmed vai abrir 8 novas clínicas até ao final de 2018

A Oralmed tem prevista a abertura de oito novas clínicas até ao final do ano, sendo três das quais em Espinho, Oliveira de Azeméis e Amadora. A informação foi dada em primeira mão à Saúde Oral por Eduardo Pinto, um dos administradores da Oralmed.

“Neste momento a Oralmed tem 32 clínicas e acabamos por ter uma distribuição muito semelhante entre o norte e o sul. No centro temos uma presença menor, mas é uma zona geográfica em que ainda este ano e no próximo ano irá estar presente no enquadramento da expansão que estamos a realizar e vamos continuar a fazer. Será uma área onde vamos abrir algumas unidades”.

De 32 para 55 clínicas

A Oralmed quer encerrar 2018 “com 40 clínicas abertas. Vamos abrir mais oito unidades até ao final do ano e durante 2019 o projeto de expansão prevê a abertura de mais 15 unidades. Ou seja, queremos terminar o ano de 2019 com 55 unidades abertas”.

Com o ano de 2018 prestes a finalizar será exequível a abertura de oito clínicas em pouco mais de dois meses? “Sim, conseguimos”, assegura Eduardo Pinto. “A par de outras situações, acabamos por puxar essa responsabilidade para dentro da nossa organização. Quer do ponto de vista de projetos de arquitetura, quer da execução das obras, neste momento somos completamente autónomos e por isso conseguimos controlar todos estes processos”.

E dá exemplos: “algumas destas oito unidades que referi se quiséssemos estariam prontas a abrir neste momento. Só ainda não estão abertas porque estamos a finalizar os processos de formação de equipas que vão estar nessas unidades. Dizer que vamos abrir oito clínicas não quer dizer que ainda estejamos a executar a construção das unidades. Destas oito posso dizer que três a quatro poderiam abrir já amanhã se quiséssemos”.

7 milhões em 2018

Ainda segundo Eduardo Pinto, o investimento para este ano nos novos projetos “ronda os 7 milhões de euros e em 2019 teremos um investimento igual ou superior por tudo aquilo que vamos querer fazer em termos de expansão”.

Quanto a receitas, Eduardo Pinto não revela essa informação, mas adianta que tudo tem corrido “de forma muito positiva. Temos conseguido fazer este trajeto de crescimento porque no dia-a-dia os nossos pacientes dão-nos essa resposta positiva e é assim que temos suportado esse crescimento”

Nota: Ler a entrevista na íntegra na próxima edição da Saúde Oral