Investigação

Estudo: boa saúde oral aumenta desempenho desportivo nos atletas

Estudo: boa saúde oral aumenta desempenho desportivo nos atletas

Seguir dicas simples de saúde oral pode ajudar a melhorar o desempenho desportivo entre atletas, revela um novo estudo.

A pesquisa, levada a cabo pela University College London, no Reino Unido, analisou 62 atletas da equipa de râguebi de Gloucester e duas equipas olímpicas da Grã-Bretanha, de ciclismo e de remo.

Os participantes apresentavam taxas consideráveis de doenças orais, entre as quais cáries dentárias e inflamações gengivais. Estes sintomas tiveram impacto negativo no desempenho desportivo dos atletas e no seu bem-estar. Como resultado, os investigadores introduziram um programa destinado a educar os atletas sobre a saúde oral.

“A saúde oral deficiente dos atletas de elite é comum e está associada a um desempenho negativo”, afirmou Julie Gallagher, autora principal do estudo, citada pela Dentistry.co.uk.

Perante a higiene oral de pouca qualidade nos atletas, o objetivo do estudo era desenvolver um programa que alinhasse o elevado desempenho desportivo com a melhoria da higiene oral.

“O estudo tinha por base a psicologia do comportamento em matéria de saúde, que incluía educação, automotivação, definição de objetivos e um conjunto de ferramentas fáceis de utilizar, assegurando que os atletas tivessem uma oportunidade de melhorar rapidamente”, acrescenta a autora.

Assim, cada atleta foi submetido a um exame de saúde oral. Posteriormente, entregaram aos atletas um relatório de acompanhamento com conselhos personalizados e um conjunto de ferramentas de saúde oral. Estes últimos incluíam escovilhões, uma escova de dentes manual e uma pasta de dentes com flúor.

Além disso, os atletas foram aconselhados a escovar os dentes duas vezes por dia, durante dois minutos.

Após quatro meses, os participantes foram convidados a preencher um questionário de conhecimentos sobre saúde oral e a submeter-se a outra avaliação gengival. O desempenho desportivo foi também medido, utilizando o Oslo Sports Trauma Research Centre Overuse Injury Questionnaire (OSTRC-O).

O estudo permitiu concluir que a utilização de pasta dentífrica com flúor de intensidade de prescrição aumentou de oito (12,9%) para 45 (80,4%); a utilização de auxiliares de limpeza interdentais pelo menos duas a três vezes por semana passou de 10 (16,2%) para 21 (34%). A pontuação média do OSTRC foi reduzida de 8,73 (de um total de 100) para 2,73.

Estes dados sugerem uma redução significativa dos problemas ligados à higiene oral e ao desempenho desportivo.

“Acreditamos que juntar a ciência da mudança comportamental com a compreensão das prioridades dos atletas e das equipas é fundamental para que as mudanças se façam sentir”, concluiu Gallagher.