Investigação

Vacina experimental pode ajudar a combater a infeção por Staphylococcus aureus

Foi criada recentemente uma vacina experimental que protege até 80% dos ratos contra a Staphylococcus aureus, uma bactéria frequentemente encontrada no trato respiratório superior e na pele.

Foi criada recentemente uma vacina experimental que protege até 80% dos ratos contra a Staphylococcus aureus, uma bactéria frequentemente encontrada no trato respiratório superior e na pele. A vacina também provou ser eficaz em 66% dos coelhos infetados. Estes dados foram publicados no estudo Clearance of Staphylococcus aureus from in vivo models of chronic infection by immunization requires both planktonic and biofilm antigens, publicado online no site Infection and Immunity.

A bactéria S. aureus foi responsável por um terço das infeções mortais adquiridas em hospitais por pacientes que tinham sido submetidos a procedimentos cirúrgicos, incluindo cirurgia dentária.

Apesar de só ter sido testada em animais, os investigadores acreditam que a vacina poderá reduzir drasticamente o número de pacientes infetados pela bactéria após a cirurgia.

“Os resultados preliminares são muito promissores, e esperamos que esta vacina se mostre eficaz também em humanos”, disse Janette Harro, que colabora na pesquisa do Departamento de Patogénese Microbiana da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Maryland, à publicação Dental Tribune International. “A S. aureus é difícil de erradicar porque forma prontamente biofilmes no local da cirurgia.”

“Os biofilmes, infelizmente, são muito difíceis de tratar”, reforça Harro, explicando que “os antibióticos não funcionam bem, e o sistema imunológico não consegue limpá-lo eficazmente por si só”.

Os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos da América indicam que as infeções hospitalares são responsáveis por cerca de 1,7 milhões de infeções e 99 mil mortes por ano, principalmente devido à sua virulência e resistência aos antibióticos convencionais.

Segundo Harro, administrar uma vacina que protege os pacientes da infeção antes de realizarem a cirurgia poderia contribuir para a redução significativa dos casos fatais e dos custos com a saúde.