Quantcast
implantes

Straumann lmmediaXy: O patamar seguinte da carga imediata

O lançamento oficial do ecossistema lmmediaXy, pela Straumann, decorreu no passado dia 8 de outubro, em Lisboa, e juntou médicos dentistas de todo o País num evento onde a inovação e a transformação digital, aliadas à área da implantologia, foram as palavras de ordem.

A maior procura por tempos de tratamento mais curtos por parte dos pacientes, a crescente evidência de sucesso previsível e os efeitos positivos sobre a produtividade e o crescimento, tornaram os protocolos de tratamento imediatos uma escolha popular na implantologia.

“A estabilidade primária elevada, que é tão importante para casos de carga imediata, juntamente com o respeito pelas exigências biológicas, faz dele [Straumann lmmediaXy] um implante com uma boa e promissora performance durante o processo de osteointegração e no sucesso a longo prazo” – André Chen

Partindo deste racional, a Straumann desenvolveu uma gama de produtos que se apresenta como “o patamar seguinte da carga imediata”, recentemente disponível em Portugal. Trata-se do ecossistema ImmediaXy, composto por soluções desenvolvidas para “permitir aos profissionais de medicina dentária providenciar temporização imediata aos seus pacientes, com confiança e eficiência – sempre que possível – e sensato em termos clínicos, que seja num único dente, em vários dentes, ou em casos de arcada completa”.

Eirik Salvesen

“Todos os implantes são, por defeito, de carga imediata, até provarem o contrário!”

Sendo os pacientes de hoje tão informados e atualizados sobre as tecnologias digitais e as opções de tratamento estético disponíveis, torna-se crucial para o médico dentista traçar estratégias que integrem estes aspetos e vão ao encontro do que o doente pretende.

Como equilibrar o sensato e o eficiente entre o status quo, a expetativa do paciente e o que é possível? Coube a Eirik Aasland Salvesen, diretor de Desenvolvimento Clínico da Oris Dental, responder a esta questão, e fê-lo com base numa perspetiva holística, que vai desde o pensamento estratégico da equipa até os protocolos de tratamento, com a consciência de que o tratamento imediato é uma parte essencial das necessidades e desejos dos pacientes.

De acordo com o dentista norueguês, “as soluções imediatas reduzem o tempo em 50% quando comparadas com as convencionais”, no que diz respeito à colocação de implantes.

Na senda pelo implante mais adequado, “os clínicos devem partir da ideia de que todos os implantes são, por defeito, de carga imediata, até provarem o contrário”. Para tal, têm que ir desqualificando os que não cumprem os critérios de immediacy, concluiu.

O que mudou com o implante TLX

Ao longo dos anos, a implantologia tem tentado corresponder à necessidade de sucesso e estabilidade a longo prazo e às crescentes exigências estéticas e funcionais imediatas dos doentes. Nesse sentido, “novas macrogeometrias e possibilidades foram adicionadas com a chegada do implante TLX, onde se pode encontrar uma correspondência singular entre a macro geometria de implantes subcrestais (BLX) e a plataforma transgengival maquinado/polido do implante clássico (Tissue Level) de colocação supracrestal”, explicou o cirurgião dentista André Chen, acrescentando que “dentro da limitação temporal, o implante TLX tem mostrado resultados promissores”.

No evento da Straumann, o médico e diretor do departamento de Cirurgia e Implantologia da International Advanced Dentistry focou alguns campos de atuação onde a utilização deste implante parece mais indicada, bem como o porquê biológico e biomecânico dessa utilização, salientando que “a estabilidade primária elevada, que é tão importante para casos de carga imediata, juntamente com o respeito pelas exigências biológicas, faz dele um implante com uma boa e promissora performance durante o processo de osteointegração e no sucesso a longo prazo”.

“A medicina dentária portuguesa, que eu considero das melhores a nível mundial, vai acolher esta tecnologia de braços abertos. Porque a nossa medicina dentária é cada vez mais centrada no paciente e no seu bem-estar” – João Mouzinho

Implante BLX abre “um novo mundo”

Por sua vez, o médico dentista fundador da MOLAR CLINIC, João Mouzinho, apontou as potencialidades do implante Straumann BLX, de forma imediata e com uma componente de planeamento muito virada para o digital.

Na sua apresentação, o clínico elencou as vantagens e dificuldades encontradas enquanto utilizador recente deste sistema, salientando a melhor forma de implementação num fluxo de planeamento digital.

João Mouzinho abordou, ainda, temas desde a colocação de um implante unitário, parcial, total com a colocação de implantes all on X, até à utilização de implantes zigomáticos juntamente com o implante BLX.

Além da componente cirúrgica, o enfoque da sua apresentação, assentou igualmente na componente da prostodontia com a sua reabilitação apoiada em tecnologia digital.

ENTREVISTA

 João Mouzinho

“O implante BLX é a combinação vencedora de inovação em design, tecnologia de topo e superfície de alta performance

Em entrevista à SAÚDE ORAL, à margem do evento da Straumann, o médico dentista fundador da MOLAR CLINIC, João Mouzinho, destacou que a utilização do implante BLX permite “um workflow simplificado e flexível, tanto para clínicos experientes, como para o clínico que vai colocar o seu primeiro implante”, bem como “resultados muito mais previsíveis e confiáveis”.

 O que o motivou a “render-se” aos implantes Straumann, depois de anos a trabalhar com outra marca?

Na verdade, eu nunca fui utilizador Straumann, mas quando vi o implante BLX fiquei completamente apaixonado, quase como se fosse desenhado para clínicos como eu – fãs de implantes pensados e estruturados para o conceito imediato. Este implante permite uma osteointegração muito mais rápida, graças à sua superfície Roxolid e SLActive. Permite ainda um protocolo imediato em todos os tipos de osso.

Como é um implante de controlo ósseo dinâmico – que permite cortar, condensar e coletar – vai aumentar muito o contacto entre osso e implante. Os elementos bidirecionais de corte aumentam muito a estabilidade primária, objetivo principal da carga imediata. O colar reduzido permite criar muito menos stresse no osso cortical e o sistema de brocas foi pensado para minimizar o aquecimento que as brocas criam no osso, assim como um protocolo reduzido de número de brocas.

Outra das características que me fascinaram foi a utilização de uma única conexão, que ajuda muito o médico dentista e toda a sua equipa a diminuir a quantidade de stock de peças necessárias para reabilitar os implantes dentários.

Como descreve a sua experiência clínica dos últimos nove meses com a utilização de implantes Straumann?

No passado, o que mais me preocupava no dia da cirurgia era, apesar de ter tudo bem planeado a nível de diagnóstico – ter todas as guias cirúrgicas preparadas, assim como férulas ou provisórios –, havia sempre um fator que eu não controlava. Isto é, em alguns pacientes, não conseguia ter estabilidade primária na colocação do implante, que fazia com que todo o planeamento fosse “por água abaixo”.

Como solução tinha que, muitas vezes, trocar o implante durante a cirurgia, para outro “modelo” mais agressivo, mas que não servia para todo o tipo de osso, ou dizer ao meu paciente que não conseguia fazer aquilo a que me tinha proposto, que seria a colocação de dentes fixos imediatos.

A partir do momento em que comecei a usar o implante BLX, passei a ter muito mais estabilidade, independentemente do osso ter boa ou má qualidade. Isto permitiu que o meu paciente ficasse com uma solução muito mais confortável e de acordo com as suas expetativas.

Outra das vantagens é o fluxo digital completamente pensado para ajudar o clínico. Enquanto médico dentista, que faço tanto a parte cirúrgica da implantologia, como a reabilitação dos meus casos, preciso de um implante que esteja pensado, não só para maximizar a parte cirúrgica, mas que seja simples e com todas as componentes que necessito para reabilitar e colocar dentes fixos nesses mesmos implantes.

Nunca esqueço a velha máxima: os pacientes não querem implantes, mas sim, dentes. E os implantes BLX foram pensados para o melhor dos dois mundos.

Considera que os mais recentes implantes da Straumann, apresentados no passado dia 8 de outubro, em Lisboa, configuram de facto o “patamar seguinte” na carga imediata?

Considero que há um antes e um depois na era da implantologia com o implante BLX. Estes fizeram da colocação imediata um protocolo simples, imediato, muito devido à sua capacidade de self taping.

Os protocolos tornaram-se muito mais previsíveis, o que me permite ter muito mais confiança que quando começo uma cirurgia vou ter capacidade de dar uma solução fixa nesse mesmo dia ao meu paciente.

Isto fez com que toda a implantologia moderna fosse muito mais rápida e previsível do que os métodos antigos. Os meus pacientes sabem que com o implante BLX passam a ter a possibilidade de ter uma colocação imediata, com uma osteointegração muito mais rápida e com um implante de tecnologia de topo com a qualidade suíça.

Resumindo, diria que o implante BLX é a combinação vencedora de inovação em design, tecnologia de topo e uma superfície com um material de alta performance. Combinam ainda a força, o poder e uma ótima estabilidade primária, fundamental para o objetivo da immediacy. O workflow passou a estar simplificado e flexível, tanto para clínicos experientes, como para o clínico que vai colocar o seu primeiro implante. Os resultados passaram a ser muito mais previsíveis e confiáveis.

A sua paixão pela inovação ficou bem patente neste evento. Como considera que a medicina dentária portuguesa acolhe a inovação no geral e esta novidade da Straumann em particular?

A inovação, quer queiramos, quer não, faz parte do presente da medicina dentária. O comboio já partiu, e quem não o apanhar pode vir a ter dissabores. O paciente entende que tudo na vida, em geral, está cada vez mais rápido e mais personalizado. Basta pensarmos na Netflix ou no Spotify, que nos apresenta conteúdos personalizados e dedicados ao nosso gosto… Por isso, cada vez mais a implantologia tem que ser tailor made para cada um dos nossos pacientes, que querem dentes fixos no dia da cirurgia, mas também querem que o definitivo seja rápido e que seja biomimético.

A inovação veio ajudar a ter estes protocolos muito mais centrados no paciente, de forma rápida e eficaz. A medicina dentária portuguesa, que eu considero das melhores a nível mundial, vai acolher esta tecnologia de braços abertos. Porque a nossa medicina dentária é cada vez mais centrada no paciente e no seu bem-estar. Por isso todas as tecnologias que nos ajudam neste sentido são bem-vindas.

 

*Artigo de opinião publicado originalmente na edição n.º 147 da revista SAÚDE ORAL, de novembro-dezembro de 2022

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde oral?