Quantcast
Saúde Oral

Relatório da FEP analisa custo humano e financeiro da periodontite 

Um relatório encomendado pela FEP e publicado pela EIU analisou o custo financeiro e humano da periodontite em seis países da Europa.

Um relatório encomendado pela Federação Europeia de Periodontologia (FEP) e publicado pela Economist Intelligence Unit (EIU), a divisão de investigação e análise do Economist Group, analisou o custo financeiro e humano da periodontite em seis países da Europa Ocidental (França, Alemanha, Itália, Holanda, Espanha e Reino Unido), avança a FEP, em notícia do site.

De acordo com o relatório, nos últimos 25 anos, foram feitos poucas progressos nestes seis países ao nível da prevenção e gestão da periodontite. Um dos fatores-chave salientados pelo relatório é que muitos indivíduos visitam um consultório dentário apenas quando têm um problema e evitam consultas regulares devido ao custo.

 

O custo ganha especial relevância em Espanha e em Itália, onde a maioria do tratamento de periodontite é pago pelos pacientes ou seguros privados, pelo que “o tratamento de periodontite para uma família de baixos rendimentos é, portanto, tornado quase incomportável”.

O relatório ressalva que embora os cuidados dentários pareçam ser “gratuitos no papel” no Reino Unido e em França, “apenas uma parte dos procedimentos dentários para o tratamento da periodontite são cobertos e o restante é pago fora do bolso”.

 

O estudo argumenta que “os cuidados dentários cobertos publicamente por periodontite merecem uma revisão por parte dos decisores políticos e comissários em toda a Europa”.

Recomendações-chave

O relatório faz as seguintes recomendações-chave:

  1. “A prevenção, diagnóstico e gestão da periodontite é rentável”:
    1. O relatório afirma que os esforços para eliminar a gengivite, evitando a progressão para a periodontite, poupariam ao longo de dez anos em comparação com o “negócio como de costume” entre 7,8 mil milhões de euros na Holanda e 36 mil milhões de euros em Itália.
  2. “Melhorar a integração dos cuidados de saúde geral e dentários é necessário”:
    1. O estudo relata que a partilha de informações na saúde pode melhorar os cuidados do paciente (devido aos fatores de risco comuns partilhados por algumas condições de saúde dentária e física);
  3. “É necessária uma sinergia entre as campanhas sociais e individuais de saúde pública”:
    1. “As campanhas individuais de saúde pública devem prestar especial atenção às comunidades menos ricas e incorporar a prevenção e a intervenção precoce em ambientes comunitários como as escolas (para a prevenção das cáries) e os centros de saúde (para a prevenção da periodontite)”, explica o relatório;
  4. “É preciso ser melhorada a acessibilidade aos cuidados dentários”.
Retorno sobre o investimento (ROI)
 

Os investigadores calcularam o impacto de cinco cenários diferentes por dez anos, através de um modelo:

  • No caso de o cenário manter-se o mesmo, o custo variou de 18,7 mil milhões de euros na Holanda para 96,8 mil milhões de euros em Itália;
  • No caso de a gestão da gengivite cair dos 95% para os 10%, existiria uma redução de anos de vida saudáveis e um ROI negativo em todos os países;
  • No caso de a gengivite ser eliminada, existiu um aumento dos anos de vida saudáveis, um ROI forte e uma redução dos custos em todos os países;
  • Se a periodontite não for gerida, os anos de vida saudáveis reduzem-se e o ROI torna-se negativo;
  • Se 90% da periodontite for detetada e gerida, existe um aumento dos anos de vida saudáveis e, apesar do aumento do custo, o ROI é positivo.

“É extremamente desafiante determinar os custos económicos e sociais de uma doença complexa como a periodontite, e é por isso que precisávamos de um grupo de peritos independentes como o EIU para realizar esta modelação”, disse o membro do comité de Workshops da FEP, Iain Chapple.

 

“Os seus dados demonstram claramente que o maior ROI provém da prevenção da periodontite – isto é, tratando a gengivite – algo tradicionalmente considerado trivial e ignorado – em vez de o tratamento ser dirigido à periodontite, que é, naturalmente, demasiado tarde para a prevenção”, explicou.

O relatório “Time to take gum disease seriously: The societal and economic impact of periodontitis” foi publicado a 14 de junho. Os atuais e antigos secretários-gerais da FEP, Nicola West e Iain Chapple, contribuíram para o relatório e a EIU também realizou entrevistas com outros 17 principais especialistas em periodontia. A modelação económica foi realizada pelos economistas de saúde David Tordrup e Tim Jesudason da Triangulate Health.

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde oral?