Saúde Oral

Micróbios da língua podem revelar insuficiência cardíaca

Língua humana tem capacidade de detetar odores

São várias as ligações estabelecidas entre a saúde oral e a saúde geral. Agora, uma investigação recente, apresentada no HFA Discoveries – plataforma científica da Sociedade Europeia de Cardiologia –, e mencionada num artigo da publicação Dental Tribune, afirma que os microrganismos na língua podem ajudar no rastreio, diagnóstico e monitorização da insuficiência cardíaca. A pesquisa recomenda ainda que os mecanismos subjacentes a esta associação sejam alvo de mais estudos.

Estudos anteriores já referiam que os microrganismos no revestimento da língua poderiam distinguir pacientes com cancro do pâncreas de pessoas saudáveis. Considerando que certas bactérias estão ligadas à imunidade, os autores sugeriram ainda que o desequilíbrio microbiano poderia promover a inflamação e a doença.

No caso da insuficiência cardíaca, a inflamação e a resposta imunitária também têm influência.

“As línguas dos pacientes com insuficiência cardíaca crónica parecem totalmente diferentes das de pessoas saudáveis”, explicou Tianhui Yuan, autor do estudo de cardiologia e médico do Hospital n.º 1 da Universidade de Medicina Chinesa de Guangzhou. “As línguas normais são vermelho pálido com um revestimento branco pálido. Os doentes com insuficiência cardíaca têm uma língua mais avermelhada com um revestimento amarelo e a aparência muda à medida que a doença se torna mais avançada.”

O estudo verificou a composição do microbioma da língua nos participantes com e sem insuficiência cardíaca crónica. O estudo analisou 42 doentes com insuficiência cardíaca crónica e 28 controlos saudáveis.

As amostras do revestimento da língua foram colhidas de manhã, antes da escovagem de dentes e da toma do pequeno-almoço. Para identificar bactérias nas amostras, recorreu-se a uma técnica de sequenciação genética.

“É necessária mais investigação, mas os nossos resultados sugerem que os micróbios da língua, que são fáceis de obter, poderiam ajudar no rastreio em larga escala, diagnóstico, e monitorização a longo prazo da insuficiência cardíaca. Os mecanismos subjacentes que ligam os microrganismos no revestimento da língua com a função cardíaca merecem um estudo mais aprofundado.”

Os resultados revelaram que os doentes com insuficiência cardíaca e as pessoas saudáveis, respetivamente, apresentavam os mesmos tipos de microrganismos nos seus revestimentos de língua, não sendo verificada sobreposição no conteúdo bacteriano entre os dois grupos.