- Saude Oral - https://www.saudeoral.pt -

Mercado dentário continua a sofrer impacto da pandemia

As vendas das maiores empresas do setor dentário [1] cresceram no segundo trimestre do ano comparado ao mesmo período de 2020. No entanto, o mercado ainda não conseguiu retornar aos valores de 2019, avança o Dental Tribune International [2].

Nos seus relatórios de resultados, algumas empresas elogiaram a recuperação do setor dentário, já outras delinearam a queda dos gastos, as preocupações com as variantes do SarS-CoV-2 e a vacinação lenta em algumas áreas geográficas.

SmileDirectClub
 

O CEO da empresa de telemedicina dentária SmileDirectClub [3] (SDC), David Katzman, revelou que a empresa não conseguiu alcançar as expetativas para o semestre, principalmente devido aos mercados mais recentes da SDC, Espanha e Alemanha, onde disse que os “efeitos persistentes” da pandemia continuam a existir. O total das vendas da SDC para o trimestre [4] foi de 174,2 milhões de dólares, um aumento de 62,7% face ao ano anterior.

Segundo o responsável da empresa, os consumidores-alvo da SDC parecem estar a favorecer os produtos em vez de serviços devido à procura crescente de vestuário, automóveis e bens relacionados com a habitação. O desemprego também estava a ter um impacto nas vendas do setor dentário.

Align Technology
 

Já a Align Technology [5] conseguiu ultrapassar os seus recordes de vendas, atingindo os mil milhões de dólares em vendas totais pela primeira vez. A empresa vendeu 841 milhões de dólares em alinhadores invisíveis durante o período [6] — um aumento de 181,9% face ao ano passado — e as receitas dos seus sistemas de imagem e dos serviços CAD/CAM foram de 169,8 milhões de dólares, um aumento de 214,7% face ao ano anterior.

Na região das Américas, o volume de clientes aumentou 260,7% num ano. As remessas internacionais aumentaram 149,2%, e as da Europa, Médio Oriente e África (EMEA) subiram 265%, lideradas pela Península Ibéria, Reino Unido e Itália.

Straumann Group
 

No caso do Straumann Group [7], as receitas de 212,7 milhões de euros na EMEA representaram um crescimento de 102% face ao ano passado. No total, teve uma receita de cerca de 480 milhões de euros, mais 92% face ao período homólogo.

O CEO da Straumann, Guillaume Daniellot, afirmou que “com exceção da América Latina, que ainda está no olho da tempestade, todas as nossas regiões referem que mais de 85% das clínicas dentárias estão abertas. Consequentemente, entre 85% e 100% das nossas instalações estão abertas e a nossa equipa de vendas está a operar a níveis semelhantes. Em suma, tanto nós como os nossos clientes estão de volta ao negócio”.

Envista Holdings
 

As vendas na Envista Holdings [8] no segundo trimestre foram de 740,1 milhões de dólares, um aumento de 104,4% face ao ano anterior.

“Embora os volumes de pacientes tenham melhorado para níveis pré-pandemia, nos nossos principais mercados continuamos a assistir a processos de vacinação inconsistentes e picos em infeções resultado de variantes da covid-19 em várias áreas geográficas, incluindo a Europa Ocidental e partes dos Estados Unidos. No geral, estamos atentos aos riscos relacionados com a pandemia, mas mantemo-nos otimistas para uma recuperação contínua ao longo do balanço de 2021”, referiu o vice-presidente sénior e diretor financeiro da empresa, Howard Yu.

Dentsply Sirona

Por último, as vendas líquidas da Dentsply Sirona [9] no segundo trimestre [10] foram de 1,067 mil milhões de dólares, um aumento de 117,3% face ao ano anterior. No segmento dos consumíveis dentários, as vendas líquidas de 445 milhões de dólares para o período representaram um aumento de 138,0%. As vendas de tecnologia e equipamentos dentários atingiram os 622 milhões de dólares, um ganho homólogo de 104,6%.

“Neste momento, sentimos que o mercado dentário está a funcionar ligeiramente abaixo dos níveis de 2019, prevendo-se uma recuperação contínua para o resto do ano. À medida que navegamos pela mais recente fase da pandemia, estamos conscientes de que [continua] a existir algum impacto contínuo em certas regiões e algumas tensões na cadeia de abastecimento”, afirmou o CEO da empresa, Donald M. Casey.