Eventos

Higiene oral adequada pode ser fundamental durante a pandemia

Resistência da flora oral aos antisséticos

Uma higiene oral adequada pode ajudar a reduzir a transmissão do vírus entre as pessoas, de acordo com David Herrera, professor de Periodontologia da Universidade Complutense de Madrid, que participou na mais recente sessão online da Aula DENTAID, com o mote “A cavidade oral é relevante na pandemia da SARS-CoV-2?”.

O evento contou também com a participação do médico Mariano Sanz, professor e presidente de Periodontologia da UCM.

Neste webinar, Mariano Sanz explicou que “a boca é uma das principais vias de entrada no corpo, juntamente com o nariz e os olhos. E é na boca que o vírus SARS-CoV-2 encontra uma alta densidade dos seus recetores específicos de ligação. Permitir que o vírus permaneça na boca facilita a sua transmissão através das gotículas que uma pessoa infetada pode emitir, ao falar, tossir, exalar, etc”.

A este respeito, Herrera salientou a importância de uma boa higiene oral no contexto da pandemia, com o objetivo de ajudar a reduzir a transmissão do vírus entre as pessoas.

O professor de Periodontologia explicou que vários estudos assinalam que “certos antissépticos contidos em algumas lavagens bucais podem ser capazes de perturbar o revestimento lipídico de vírus como os coronavírus, conseguindo reduzir a carga viral na boca dos doentes infetados e, consequentemente, ajudando possivelmente a reduzir a transmissão do vírus de pessoa para pessoa”.

O professor analisou as provas científicas disponíveis sobre o efeito que as lavagens bucais com cloreto de cetilpiridínio (CPC), clorexidina, soluções de iodo povidona, peróxido de hidrogénio diluído, etc., poderiam ter sobre estes vírus.

Joan Gispert, diretor de I&D da DENTAID e moderador deste webinar, frisou a importância de manter uma higiene oral adequada, comparando a utilização de elixir bucal contendo CPC com a ação da lavagem das mãos para eliminar o vírus.

Segundo Gispert, “a utilização destes tipos de produtos de lavagem bucal não cura a doença, mas pode ajudar a diminuir a carga viral na boca e, neste sentido, ter um efeito preventivo temporário na propagação imediata de pessoas infetadas e assintomáticas a outras pessoas”.

Por esta razão, os protocolos de prevenção de numerosas associações profissionais de dentistas e sociedades científicas de dentistas recomendam que os pacientes utilizem um colutório durante 30 segundos para reduzir a sua carga viral antes de se submeterem a qualquer exame ou tratamento intraoral.

A sessão “Is the Oral Cavity relevant in SARS-COV-2 pandemic?” pode ser vista aqui.