Investigação

Função oral pode melhorar com exercício

Um novo estudo lançado em maio afirma que os pacientes adultos mais velhos podem melhorar a sua função oral, evitando problemas como a diminuição da salivação e boca seca (xerostomia), através de um simples exercício com a duração de dois minutos.

A diminuição da função oral pode provocar doenças nos tecidos moles, cáries, doença periodontal e candidíase oral, afetando o estado de saúde e qualidade de vida dos pacientes. O problema é que a maioria dos agentes químicos utilizados para tratar os sintomas de boca seca causam efeitos secundários.

De acordo com os investigadores da Yonsei University College of Dentistry, na Coreia do Sul, um simples exercício de alongamento pode ajudar a resolver esta questão. O estudo, publicado no dia 16 de maio, na Clinical Interventions in Aging, utilizou exercício oral simples e curto em que os pacientes alongavam os lábios, língua e bochechas, e exercitavam os músculos mastigatórios e de deglutição para testar os efeitos a curto prazo desta técnica.

O estudo avaliou 84 participantes de idade igual ou superior a 65 anos, que realizaram o exercício duas vezes por dia durante uma semana, após terem recebido instruções de um higienista oral. Os investigadores avaliaram o desempenho mastigatório dos pacientes através do mixing ability index. Além disso, analisaram os níveis de humidade na língua e mucosa bucal, e realizaram o teste repetitivo de deglutição de saliva.

Com base nestes testes, os pacientes foram divididos em dois grupos: os que demonstravam boas condições de saúde oral, e os que não o demonstravam.

Os dados mostraram que o mixing ability index aumentou 6% logo após o exercício nos pacientes com boa saúde oral e 16% nos pacientes com fraca saúde oral. Mais: de acordo com os investigadores, o grau de humidade na língua aumentou 3% e manteve-se neste valor. No grupo com fraca saúde oral, 25% dos participantes passaram para o grupo da boa saúde imediatamente após a intervenção, e 40% fizeram-no depois de uma semana de exercícios. Os participantes mostraram ainda sentir menos desconforto na sua função oral.

Pode ler mais conclusões aqui.