Investigação

Covid-19: médico dentista propõe novo protocolo para reduzir carga viral dos aerossóis

Médicos dentistas em Portugal e Espanha realizam recomendações de prevenção do coronavírus

O médico dentista especializado em periodontologia Rajeev Chitguppi está a propor um novo protocolo de segurança para combater o risco de propagação de SARS-CoV-2 nas clínicas dentárias. Este consiste na inclusão de iodopovidona (PVP-I) no tanque de água da unidade dentária como irrigador para instrumentos manuais de alta velocidade para diminuir a transmissão do vírus.

Esta hipótese e as evidências científicas que a suportam foram publicadas pelo médico dentista e docente de Mumbai, Índia, no site da rede profissional para cientistas e investigadores ResearchGate.

Tendo em conta que o risco de transmissão do vírus é maior nas clínicas dentárias dada a alta quantidade de aerossóis gerados durante os atos de medicina dentária, que contêm gotículas com saliva e até sangue dos pacientes, o dentista defende a utilização de PVP-I, que já demonstrou ter mais de 99,99% de atividade contra vírus como o ébola, MERS e SARS, entre outros.

Além disso, defende Chitguppi, o rápido efeito bactericida e viricida das soluções de iodopovidona (disponíveis em colutórios, por exemplo) já foi observado em estudos in vitro e in vivo, e é superior ao de outros agentes antisséticos usados frequentemente, como a clorohexidina.

Porém, uma das preocupações do médico dentista com este protocolo é como é que os instrumentos vão funcionar com a adição de PVP-I e que tipo de manutenção será necessária.

Em declarações ao Dental Tribune International, o médico dentista, que é editor-executivo da edição da Ásia do Sul desta publicação, afirmou que o risco de transmissão por aerossóis “é real” e que, por isso, há que “controlar a qualidade [da carga viral], bem como a quantidade [volume] de aerossóis gerados”. E acrescentou: “Quanto à qualidade dos aerossóis, não estou só a analisar a PVP-I. Há outros agentes que demonstraram atividade viricida, como o hipoclorito de sódio, o dióxido de cloro e o peróxido de hidrogénio. Temos de trabalhar todas as opções e testá-las antes de lançarmos as melhores recomendações e guidelines.”