Quantcast
Saúde Oral

Congresso Mundial da FDI: 120 anos de histórias para contar

Congresso Mundial da FDI: 120 anos de histórias para contar

Com 120 anos de existência, o Congresso Mundial da FDI já contou com a participação da realeza, fez reivindicações de igualdade na profissão e instigou “discussões provocadoras do pensamento” 

O Congresso Mundial de Medicina Dentária da FDI – Federação Dentária Internacional – comemora este ano o seu 120.º aniversário. Para os celebrar, a Federação que une médicos dentistas um pouco por todo o mundo está a divulgar alguns factos curiosos sobre a história deste evento. Aliás, sabia que no congresso de 1893 já se debatia a igualdade nos estatutos profissionais entre médicos dentistas masculinos e femininos?

No final do século XIX, já havia a necessidade de divulgar os avanços científicos na medicina dentária e de partilhar as evoluções do conhecimento clínico, bem como melhorar a higiene dentária e reforçar os padrões na educação dentária.  A maioria dos dentistas tinha pouca formação e mesmo aqueles que tinham recebido formação mais sólida, especialmente nos EUA, queriam aprender mais com profissionais-chave do setor.

De acordo com a FDI, foi graças à determinação do seu fundador, Charles Godon, que foi possível dar uma resposta a esta necessidade, com a criação do Congresso Internacional Anual de Medicina Dentária, hoje conhecido como Congresso Mundial de Medicina Dentária da FDI.

Mas, mesmo antes da formação oficial da FDI, em 1900, Godon já organizava congressos anuais de medicina dentária.

O primeiro congresso realizou-se em 1889, focado na questão da educação dentária. “Os congressos de 1889, 1893, 1900 e 1909 estabeleceram os padrões de discussão e associação para o resto do século XX e início do século XXI”, refere a federação em comunicado.

Congressos polémicos

A participação das mulheres em congressos de medicina dentária era pouco comum na altura. Contudo, um dos principais objetivos do congresso em 1893 terá sido o estabelecimento de igualdade nos estatutos profissionais entre médicos dentistas masculinos e femininos. Segundo conta a federação, este congresso foi também marcado por “discussões provocadoras de pensamento”, como por exemplo, o recurso a injeções de cocaína para anestesia local.

O congresso terá ultrapassado os mil participantes. No terceiro congresso, em Paris, o apelo era focado na uniformização do ensino da medicina dentária e, devido à presença de ‘charlatões’ no setor, surgiu a necessidade de que o público fosse devidamente informado sobre os cuidados dentários e a higiene oral.

Os primeiros Congressos Anuais Internacionais de Medicina Dentária da FDI

Em 1901, realizou-se, em Londres, o primeiro Congresso Anual Internacional de Medicina Dentária. Mas foi no congresso de Madrid, em 1903, que o FDI entrou no mundo da publicação através da criação de uma Comissão Internacional de Imprensa. Em 1904, o congresso realizou-se nos Estados Unidos e muitos dentistas europeus aproveitaram para visitar o “Novo Mundo”. Este congresso ficou marcado também pela entrega da presidência a W.D. Muller.

Em Estocolmo, em 1912, a palestra cinematográfica foi introduzida como um método inovador de ensino e George Cunningham, considerado por alguns como o pai da medicina dentária preventiva, atraiu uma grande audiência.

O impacto da primeira-guerra

Em 1914, em Londres, realizou-se o último congresso antes da Primeira Guerra Mundial.

Retomado oito anos depois da reunião de Londres, em 1922, a oposição entre as Nações Aliadas e as Potências Centrais teve repercussões mesmo na medicina dentária. O futuro da Federação e do seu congresso anual era incerto no pós-guerra, contudo, a FDI foi um dos primeiros organismos científicos internacionais a restabelecer-se. O primeiro encontro oficial pós-guerra realizou-se em Madrid (1922, contando apenas com 20 delegados).

O comunicado da FDI refere ainda que o rei Alfonso XIII se terá dirigido aos presentes no seu discurso de abertura, dizendo:

“Pela vossa reunião aqui, vós, homens da ciência, dai uma lição aos diplomatas. Porque, logo que algo possa ser feito para o bem da humanidade, para vós, as nações já não existem; nem as hostilidades que eclodiram em 1914. Uma conceção muito superior une-vos a todos.”

Os congressos que se seguiram resultaram numa nova resolução sobre padrões mais elevados para a educação dentária e recuperaram o caráter internacional.

A maior demonstração profissional que o mundo já viu

O congresso de Filadélfia em 1926 foi considerado “a maior demonstração profissional que o mundo já viu”, refere a FDI. O evento terá contado com 15 mil participantes de 25 países.

Em Viena, em1936, foram adotadas resoluções centradas na higiene oral de mulheres grávidas e na importância dos cuidados orais para bebés e crianças.

Após a Segunda Guerra Mundial, os congressos da FDI ajudaram a reconstruir a Federação mais uma vez. Alfred Ernest Rowett (presidente da FDI, 1946-1947) apelou a uma renovação da FDI, mantendo o seu espírito original, tema que marcou o congresso de Boston, em 1947.

Em 1957, em Roma, o Papa Pio XII dirigiu-se aos delegados no seu discurso, destacando as realizações da medicina dentária nas décadas anteriores e, em 1962, o congresso realizou-se de novo na Alemanha, pela primeira vez desde 1928. Colónia terá recebido mais de 10 mil pessoas de todo o mundo e a feira atraiu cerca de 51 mil visitantes.

Atualmente, o Congresso Mundial de Medicina Dentária da FDI é realizado todos os anos num país anfitrião diferente. O 100.º Congresso Mundial de Medicina Dentária da FDI realizou-se em Hong Kong, em 2012, tendo batido todos os records recentes à data, em termos de apresentação de resumos, exposição, e participação no estrangeiro.

A história da FDI e do congresso continuará a ‘escrever-se’ e o próximo capítulo será o Congresso Mundial de Medicina Dentária em Sydney, Austrália, a realizar-se entre 26 e 29 de Setembro de 2021.