Quantcast
Eventos

Conferências Saúde Oral com inscrições abertas e data marcada para 21 de junho

Conferências Saúde Oral

Dois anos depois, as Conferências Saúde Oral voltam ao formato presencial, este ano com o tema Smile makeover | In & Out. A premissa passa por destacar a estética dentária e o lugar de relevo que assume no workflow das clínicas dentárias, assim como as principais preocupações dos médicos dentistas e que estratégias utilizam as equipas para as superar. As inscrições já abriram e o evento, com data marcada para o dia 21 de junho, em Lisboa, no Sana Metropolitan Hotel, pretende contribuir para o reencontro da classe, trazendo de volta a cerimónia de entrega dos Prémios Saúde Oral. Não falte!

A estética dentária assume um lugar de relevo no workflow das clínicas dentárias. Os pacientes estão cada vez mais exigentes, motivando os profissionais a alavancarem o seu conhecimento em busca de melhores soluções terapêuticas. De forma conjugada com diversas áreas da medicina dentária, os tratamentos estéticos permitem atingir resultados de excelência na reabilitação oral dos pacientes, com impacto direto na sua autoestima e bem-estar. Mas como se reflete esta tendência na prática clínica diária e nos planos curriculares das universidades?

 

Por outro lado, sabe-se que a classe está sujeita a condições particulares que favorecem o desenvolvimento de stresse e burnout. Habitualmente na linha da frente na promoção da saúde e autoestima dos pacientes, estarão os médicos dentistas, eles próprios, a cuidar da sua saúde mental? Neste âmbito, queremos perceber quais são as suas principais preocupações e que estratégias utilizam as equipas para as superar.

As Conferências Saúde Oral são compostas por dois painéis, o da manhã – Out – dedicado à vertente clínica, com foco no fluxo digital da estética dentária, na especialização e autonomia das equipas na estética dentária e no papel dos técnicos de prótese dentária neste fluxo de trabalho. O primeiro painel termina com a mesa-redonda − Restauração ou implante? – que pretende debater os prós e contras destas intervenções e analisar a melhor decisão para recuperar a estética e a função perdida.

 

O bem-estar do médico dentista estará em destaque e conduzirá as apresentações da tarde, no painel IN, com uma apresentação sobre Coaching e Inteligência Emocional para profissionais de saúde oral; Mindful Dentistry e os segredos para a felicidade na medicina dentária; finalizando com o debate acerca da formação em Portugal e o que falta para garantir uma melhor preparação dos profissionais para os desafios laborais.

Conheça os oradores e os detalhes do programa aqui.

 

Inscreva-se aqui.

Prémios Saúde Oral estão de volta!

De regresso está também a cerimónia de entrega dos Prémios Saúde Oral que, como é tradição, visa premiar o que de melhor se faz na medicina dentária em Portugal, na vertente clínica e nos produtos. Entre as categorias da vertente clínica, iremos prestigiar as figuras do ano na área da Ortodontia; Implantologia; Endodontia; Periodontologia; Oclusão; Prostodontia; Reabilitação Oral; Odontopediatria; Dentisteria; Higienistas Orais; Técnicos de Prótese Dentária; e e Prémio Especial Carreira. Por outro lado, nos prémios produto, as categorias são: Design Clínica Dentária; Software Clínico; e Inovação.

 

 

Antevisão das Conferências Saúde Oral

Entrevistámos dois oradores que estarão presentes no evento e que levantaram a pontinha do véu do que vai acontecer no dia 21 de junho.

João Malta Barbosa, médico dentista com especialização em prostodontia pela Universidade de Nova Iorque

Conferências SO

“Não devemos condicionar a decisão à opção com que tecnicamente nos sentimos mais confortáveis. Na minha experiência, o encaminhamento entre colegas é uma opção sempre bem aceite.”

Quais são as suas expectativas para este evento presencial, depois de dois anos de pandemia? Que importância poderá ter para o reencontro da classe de dentária?

Sinto que é muito importante voltar a ter momentos de partilha presencial com colegas depois de quase dois anos de contenção. Antevejo um evento de redobrado interesse quer pelas oportunidades de networking que irá proporcionar, quer pela pertinência dos temas em discussão. Por estes motivos, estou certo de que será uma excelente oportunidade de reencontro presencial.

O Painel I, no qual está contemplada a sua intervenção, está focado na estética dentária e no workflow desta área nas clínicas dentárias. Tendo em conta a sua experiência e prática clínica, como considera que tem evoluído a estética dentária nos últimos anos em Portugal? Neste âmbito, quais são as principais áreas em destaque e as maiores preocupações dos dentistas neste sentido?

Prevejo uma discussão saudável e muito pertinente sobre este tema. A estética dentária tem beneficiado muito nos últimos anos de grandes inovações tecnológicas tanto ao nível de ferramentas de trabalho como de materiais. No entanto, é com muita preocupação (e até tristeza) que vejo cada vez mais dentes e doentes mutilados em busca de uma estética de necessidade e beleza, não raras vezes, discutível.

A Mesa-redonda da qual faz parte − Restauração ou implante? − pretende debater os prós e contras destas intervenções e analisar a melhor decisão para recuperar a estética e a função perdida. Pode levantar a pontinha do véu sobre a sua intervenção acerca deste assunto?

O véu é transparente…! (risos). Quem me conhece sabe que não tenho nada a esconder no que diz respeito a opiniões profissionais. As nossas decisões clínicas devem ser sempre fundamentadas em critérios científicos, clínicos e que considerem a individualidade de cada doente. Quem se propõe realizar um plano de tratamento honesto de reabilitação oral deve ter, pelo menos, um conhecimento teórico das diferentes opções de reabilitação, das suas indicações, vantagens e desvantagens. Só desta forma poderá o doente tomar uma decisão verdadeiramente informada. Não devemos condicionar a decisão à opção com que tecnicamente nos sentimos mais confortáveis. Na minha experiência, o encaminhamento entre colegas é uma opção sempre bem aceite.

—————————————————————————————————————-

Miguel Martins, presidente da Incisivos − Associação dos Empresários da Medicina Dentária

Conferências SO

“Há que interiorizar de uma vez por todas que as gerações vindouras não têm de ser amedrontadas, mas sim acarinhadas e desafiadas. Chama-se progresso.”

Quais são as suas expectativas para este evento presencial, depois de dois anos de pandemia? Que importância poderá ter para o reencontro da classe de dentária?

Tendo em conta alguma saturação das pessoas por eventos via plataformas não presenciais, que limitam uma série de variáveis, estou convicto que terá uma ótima adesão. Por outro lado, a contribuir para essa expectativa está o facto de os temas em foco serem de grande importância para a dentária, o que certamente mobilizará os vários protagonistas do setor: médicos dentistas, higienistas, docentes, gestores, entre tantos outros.

O Painel II, no qual está contemplada a sua intervenção, está focado na saúde mental dos médicos dentistas, nas suas preocupações e nas estratégias que utilizam as equipas para as superar. Como presidente da Incisivos, quais são as principais preocupações reportadas pelos empresários dentistas quando recorrem à associação?

Se pudéssemos eleger uma preocupação que os sócios da Incisivos – empresários que detêm clínicas dentárias, na maioria médicos dentistas, mas também outros profissionais do setor – fazem chegar à associação, seria sem dúvida a necessidade de terem auxílio na gestão das suas unidades. Do apoio jurídico à procura de formação específica, passando pelo marketing, essa preocupação assume várias formas quando nos chega, mas o reconhecimento de que é incontornável caminhar para uma gestão mais profissional das clínicas está quase sempre presente. Há uma consciência generalizada entre os nossos associados de que só com uma representação agregadora das clínicas de autor se conseguirá enfrentar a competitividade cada vez mais forte no mercado.

A Mesa-redonda, da qual faz parte, pretende debater as particularidades da formação em Portugal e de que forma esta poderá preparar os profissionais para os desafios laborais. Poderá levantar a pontinha do véu do que pretende trazer para cima da mesa acerca deste assunto?

Claro que sim. A reflexão em cima da mesa deve ser como o slogan da própria Incisivos: alinhados com o futuro. Não é agarrados ao passado que podemos debater os problemas da empregabilidade da próxima geração de médicos dentistas, higienistas orais, protésicos e todos os que se tornarão no coração do setor da dentária. O passado tem um lugar e o futuro é o que fizermos dele no presente. Trata-se de uma questão de biologia, nenhum de nós viverá para sempre. Há que interiorizar de uma vez por todas que as gerações vindouras não têm de ser amedrontadas, mas sim acarinhadas e desafiadas. Chama-se progresso.

 

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde oral?