- Saude Oral - https://www.saudeoral.pt -

Assinalar meia década da Clínica de Glândulas Salivares da Casa de Saúde da Boavista

Apresentada em outubro de 2016, a Clínica de Glândulas Salivares da Casa de Saúde da Boavista [1] completa agora cinco anos. A estrutura [2] especializada dedicada à prevenção, diagnóstico e tratamento da patologia salivar foi fundada pelo médico estomatologista, Tiago Fonseca [3], que viu nesta uma área com enorme potencial. Em entrevista à SAÚDE ORAL, Tiago Fonseca faz o balanço desta meia década de existência, pautada pelo atendimento e seguimento de proximidade.

Qual é a missão da Casa de Saúde da Boavista [4]?

A Casa de Saúde da Boavista (CSB) é uma instituição de saúde privada, considerada de utilidade pública. É pertença da Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição. Foi inaugurada a 8 de setembro de 1934, com o objetivo de dar resposta à necessidade de preparação das Irmãs Enfermeiras.

 

A CSB é uma instituição católica que se dedica a prestar especial atenção à pessoa e em particular a esta enquanto doente. É em torno desta que se centram os seus esforços, no sentido de assegurar um serviço de cuidados médicos de excelência e um atendimento, tratamento e acompanhamento personalizados e humanizados.

Que especialidades tem disponíveis?

A CSB disponibiliza a prestação de serviços de um total de 38 especialidades, sendo 31 médicas e sete não médicas. Adicionalmente, a CSB dispõe de um conjunto de consultas especializadas, dedicadas a situações específicas como a Consulta do Viajante, os rastreios auditivos neonatais ou visual infantil ou a Avaliação Pós-covid-19.

 

Complementarmente, a instituição apresenta na sua organização um conjunto de unidades chamadas globalmente “Clínicas CSB”, com o objetivo de criar grupos funcionais multidisciplinares especializados. As “Clínicas CSB” não correspondem a estruturas físicas independentes, mas sim a serviços clínicos integrados focados numa temática.

O que o levou a criar a Clínica de Glândulas Salivares?

A criação da Clínica de Glândulas Salivares (CGS) é, tão-somente, o culminar de um sonho de dedicação a uma área que, em boa verdade, orientou a escolha da especialidade. A criação da CGS é a manifestação do interesse em dar resposta a um grupo – amplo, até – de doentes que, por várias particularidades, se encontram dispersos.

 

O querer era muito e a aposta na formação pessoal foi considerável… Entendi existir base para uma atividade sustentada e sustentável numa área com enorme potencial. Trabalhei na iniciativa e apresentei o projeto; reuni confiança e foi-me concedida a oportunidade.

Que serviços disponibiliza?

Em termos genéricos, e por uma mera questão de sistematização, a CGS presta três tipos de serviços: consultas, exames e tratamentos. Existem muitas doenças das glândulas salivares e, necessariamente, estas vertentes do diagnóstico e da terapêutica refletem isso mesmo. Na quase totalidade dos casos existe uma avaliação inicial em consulta.

 

São vários os exames disponíveis, alguns realizados na própria CSB, outros efetuados na Unilabs Porto| Casa Saúde Boavista (antigo SMIC da Boavista). Destes, pela sua prevalência, importância e por se tratar de um meio simultaneamente de diagnóstico e de terapêutica, destaco a endoscopia das glândulas salivares (ou sialoendoscopia).

Como tem evoluído a clínica e a estrutura da equipa?

O aumento da procura e o surgimento de desafios de complexidade crescente abriu as portas à necessidade de, cada vez mais, se ir ao encontro das especificidades de cada problema e, sobretudo, de cada pessoa. Considerar cada doente simultaneamente na sua totalidade e na sua individualidade alicerça a senda de continuar a construir algo melhor.

Com o mote do aniversário, a equipa de profissionais da CGS foi renovada e ampliada, contando agora com a Dra. Anabela Mesquista, internista, a Dra. Ana Helena Pinto, nutricionista, a Dra. Paula Caminhas, psicóloga, a Enf.ª Carla Barros, instrumentista e terapeuta holística e manual; o Dr. José Aguiar, anestesiologista; e o Dr. Pedro Barroso Moreira, dentista.

Que espaço assumem as doenças das glândulas salivares na especialidade de estomatologia?
[5]

Glândulas Salivares

Desde há muito que me apercebi que as glândulas salivares são “a terra de todos e a terra de ninguém”. São várias as áreas que se ocupam das glândulas salivares, desde as mais gerais (como a medicina dentária ou a medicina geral e familiar) às mais específicas (como a cirurgia maxilo-facial ou a otorrinolaringologia, fora várias outras especialidades não cirúrgicas).

Mas todas acabam por abordar apenas parte da patologia salivar – além de, claro está, dependerem da dedicação / especialização dos seus profissionais. A estomatologia, como especialidade simultaneamente médica, cirúrgica e dentária, é a área do conhecimento que mais relação apresenta com estes órgãos. Depois é “só” existir um especialista dedicado…

Que balanço faz dos últimos cinco anos?

Ao longo de cinco anos foram avaliados e tratados doentes de norte a sul de Portugal, bem como pessoas provenientes do Brasil, de Angola e de Moçambique, entre outros países. Durante esse tempo, tem sido a alternativa para quem procurara uma avaliação mais dirigida e tratamentos mais conservadores. Fez jus ao «se souberem que existimos, passamos a ser opção».

Temos a convicção de que se não fossem as contingências desta atividade estar inserida num contexto extra-SNS, o crescimento seria outro. A oferta e a procura estão interligadas… O objetivo sempre foi “fazer bem”. Há sempre situações mais complexas, mas, na globalidade, reconhecemos a satisfação pelo atendimento e seguimento de proximidade e pelas ajuda e soluções dadas.

A CSB assinala a data com a publicação de oito artigos de (in)formação sobre glândulas salivares, numa edição especial da newsletter CSB360o [6].

Que objetivos pretende atingir nos próximos cinco anos, quando completar uma década?

A CGS manterá o rumo da diferenciação e da especialização, por forma a melhor servir as pessoas que nela confiarem. A dedicação, o empenho e a competência dos profissionais da CGS foram, são e continuarão sempre a ser a pedra basilar desta atividade particular, segundo a leges artis. Trabalhamos com afinco para tal.

Adicionar mais cinco anos e completar uma década seria – será – ótimo… A jeito de conclusão, podemos dizer que queremos acrescentar ao mote «um novo rumo para as doenças das glândulas salivares», com a convicção de que é na Clínica de Glândulas Salivares da Casa de Saúde da Boavista [1] «onde a patologia salivar encontra o Norte».