Médicos dentistas

AIMD envia carta a Cristina Ferreira

A Associação Independente de Médicos Dentistas (AIMD) enviou uma carta à apresentadora televisiva Cristina Ferreira, na qualidade de embaixadora da empresa de planos de saúde Medicare, na qual acusa a empresa de praticar “dumping em saúde oral”.

De acordo com o presidente da AIMD, o médico dentista Nuno Gonçalves Meneses, que assina a missiva, a carta foi motivada pela notícia veiculada na comunicação social de que a apresentadora teria uma frota de veículos de luxo no valor de 717 mil euros, incluindo um automóvel oferecido pela Medicare, algo que a AIMD considera um “símbolo da exploração em Saúde” dos médicos dentistas.

Como explicou Nuno Gonçalves Meneses à SAÚDE ORAL, “[a motivação] foi aproveitar esta brecha da comunicação social para expor o descontentamento dos colegas com a Medicare”.

“Através de uma notícia publicada na revista Vidas, veio ao nosso conhecimento que a Medicare presenteou a senhora [Cristina Ferreira] com um Porsche Panamera E-Hybrid, de 2018, pela sua parceria com esta entidade. Para que fique claro, este bem, que agora pertence à sua alegada frota, é o símbolo da exploração em Saúde”, pode ler-se no documento.

Partilhada ontem na página de Facebook da AIMD, a carta já conta com mais de 200 gostos e 186 partilhas, além de múltiplos comentários de apoio de médicos dentistas.

Citando o Código Deontológico dos Médicos Dentistas, o presidente da associação interpela ainda a apresentadora sobre o seu conhecimento acerca da proibição da realização de atos médicos gratuitos, acrescentando que a firma disponibiliza um plano de saúde “que oferece aos seus clientes a possibilidade de realizar atos médicos gratuitos e outros abaixo do preço de custo”, o que compõe uma “prática desonesta e defraudadora”.

Contactada pela SAÚDE ORAL, fonte da empresa afirmou que “a Medicare não se revê nas críticas feitas pela AIMD, sendo que não cabe à Medicare fiscalizar o cumprimento do Código Deontológico da Ordem dos Médicos Dentistas pelas clínicas que aderem livremente” aos seus planos de saúde.

“Por outro lado, é importante sublinhar que não é a Medicare que presta quaisquer cuidados de saúde ou decide oferecer os tratamentos, mas sim as clínicas e os profissionais de saúde, que nos permitem, depois, anunciar as condições que oferecem aos subscritores dos planos de saúde da Medicare”, acrescentou a mesma fonte.

A enpresa acrescentou ainda que não interfere na relação entre os profissionais de saúde e os seus pacientes, “funcionando, apenas como uma entidade agregadora e mediadora da relação entre os utentes e os clínicos livremente escolhidos por aqueles”.

Além de sublinhar que as condições dos seus planos de saúde também são oferecidas por outros concorrentes, a Medicare acrescentou ainda que a informação e os contactos da sua rede de parceiros estão disponíveis no seu site e que todos os seus clientes “podem obter informação sobre os planos, preços e consultas junto do Serviço de Apoio ao Cliente”.

“Quanto às reclamações mencionadas na carta, esclarecemos que a Medicare gere, há mais de dez anos, uma das maiores e mais bem constituídas carteiras de Planos de Saúde em Portugal, tem cerca de um milhão e quatrocentos mil clientes e que o número de reclamações é residual, ou seja, abaixo dos 0,01%. Além disso, todas as reclamações que são dirigidas à Medicare são respondidas e analisadas, o que aliás pode ser validado no Portal da Queixa, no qual a Medicare tem ótimos indicadores (por reclamação resolvida deverá entender-se que se alcançou um acordo com o consumidor para resolução da reclamação, sendo este o desenlace normal das reclamações que recebemos).”

A questão das queixas contra a companhia de planos de saúde – quase um milhar nos últimos 12 meses, segundo a AIMD – foi, aliás, um dos principais pontos levantados pela associação de médicos dentistas na sua carta, citando casos de irregularidades contratuais e burla.

Dirigindo-se à apresentadora, o presidente da AIMD acusa Cristina Ferreira de “representar e publicitar um plano de saúde que induz a exploração de médicos dentistas e contribui para a sua precariedade laboral”. Termina ainda com um apelo: “Pergunte a si própria se se revê no que a Medicare representa; se gostaria de trabalhar e não ser remunerada pelo seu trabalho, e ainda ter prejuízo. Não vale tudo na vida.”

Pode ler abaixo a carta na íntegra.

Carta AIMD para Cristina Ferreira

* Notícia atualizada ao final da tarde para corrigir que a Medicare não é uma seguradora mas uma empresa que vende planos de saúde.