Quantcast
Saúde Oral

A questão da hereditariedade dos problemas dentários

Os problemas dentários são hereditários? A resposta a esta pergunta foi discutida num artigo do Gaceta Dental. Quanto a esta questão, a American Dental Association (ADA) é clara: não existem atualmente testes genéticos para as duas doenças dentárias mais comuns, como a cárie e a periodontite. Mas há evidências científicas sobre o papel que o componente genético desempenha em certas anomalias orais.

De acordo com o livro de embriologia clínica ” An Atlas of Congenital Malformations ” (2009), o desenvolvimento dos dentes começa aos 30 dias de gestação e termina, aproximadamente, aos 19 anos, com o surgimento dos dentes do siso.

 

Durante este longo período de tempo podem surgir problemas dentários hereditários como os seguintes:

  • Agenesia dentária – Falta de dentição, quer sejam dentes decíduos ou definitivos

Esta ausência deve-se a problemas genéticos e estes são dentes que nunca se formaram. Pode estar relacionado com fatores genéticos, hereditários, ambientais ou, por exemplo, alterações durante a gravidez.

 

Distingue-se em três classes:

Hipodontia – ausência entre um e cinco dentes

 

Oligodontia – ausência de mais de seis dentes

Anodontia – ausência total

 

De acordo com o site norte-americano Medline Plus, a amelogénese imperfeita é passada dos pais para os filhos como um traço dominante, embora novas alterações genéticas possam ocorrer sem um histórico familiar desta doença.

Como indicado no site da Adeslas, a amelogénese imperfeita é definida como “uma desordem que afeta a estrutura e a aparência do esmalte dos dentes, fazendo com que sejam invulgarmente pequenos, descoloridos, picados ou com nervuras e propensos a um rápido desgaste com cavidades e perdas prematuras”.

  • Dentinogénese imperfeita

A dentinogénese imperfeita é causada por uma mutação do gene DSPP, que é o que fornece instruções para o desenvolvimento dos dentes. Este gene é responsável por dizer às proteínas como devem formar dentina. E quando uma mutação deste gene ocorre, a dentina não é gerada corretamente. Assim, os dentes parecem descoloridos, translúcidos ou com uma tonalidade azul-cinzenta ou amarelada.

  • Fissuras labiopalatinas

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), as fissuras labiopalatinas “são defeitos congénitos que ocorrem quando o lábio ou a boca do bebé não se formam corretamente durante a gravidez. Estes defeitos de nascença são muitas vezes coletivamente referidos como ‘fendas orofaciais’”.

 

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde oral?