Quantcast
Saúde Oral

Conheça 6 doenças dentárias raras

No âmbito do Dia Mundial das Doenças Raras, uma condição que afeta entre 3,5 e 5,9% da população mundial, o portal Gaceta Dental elaborou uma lista das doenças dentárias mais raras. Conheça quais são:

Agenesia dentária

Esta ausência deve-se a problemas genéticos e estes são dentes que nunca se formaram. Pode estar relacionado com fatores genéticos, hereditários, ambientais ou, por exemplo, alterações durante a gravidez.

 

Distingue-se em três classes:

Hipodontia – ausência entre um e cinco dentes

 

Oligodontia – ausência de mais de seis dentes

Anodontia – ausência total

Cúspide de talão 
 

A cúspide de talão corresponde a “um crescimento que se desenvolve na parte de trás de um ou mais dentes. E ocorre na área posterior do incisivo ou dos dentes caninos”, como definido no site da Colgate. Normalmente, a sua forma é geralmente associada à garra do calcanhar de uma águia.

Geminação dentária

A geminação dentária é uma anomalia dentária que apresenta um dente grande ou anormal e que parece ser formado por dois dentes. De acordo com a publicação Odontología Pediátrica, a geminação dentária é muito rara. Estudos mostram uma incidência de geminação entre 0,05% e 0,1% na dentição permanente e 0,5% nos dentes decíduos.

Hiperdontia
 

A hiperdontia é uma anormalidade no desenvolvimento dentário que faz com que uma pessoa tenha um número excessivo de dentes. É uma anomalia rara, uma vez que a percentagem da população que sofre dela varia entre 2% e 3%.

Como descrito pela Clínica Diego Caballero “temos de diferenciar entre supernumerários, que são dentes em excesso mas não têm a forma do dente habitual e geralmente têm uma forma de microdontia. E os chamados dentes suplementares, que são dentes extras que têm a mesma forma que os dentes normais. Os supernumerários mais comuns são os mesiodens, que é um dente que sai entre os incisivos centrais superiores. E os distomolares ou paramolares, que geralmente saem depois do dente do siso ou lateral aos molares”.

Displasia odonto-maxilar segmentar

De acordo com o Portal de informação de doenças raras e medicamentos órfãos, Orphanet, a displasia odonto-maxilar segmentar é “uma doença rara, caracterizada pelo alargamento unilateral do osso alveolar e da gengiva da mandíbula superior esquerda ou direita na região que inclui desde a parte de trás dos caninos até à tuberosidade do maxilar. Na região alargada, ocorrem anomalias dentárias como a ausência de alguns dentes, espaçamento anormal e erupção tardia”.

Esta doença dentária rara pode causar alterações no crescimento normal dos dentes e na sua morfologia, assim como alterações nas gengivas, tais como fibrose leve (excesso de tecido fibroso).

Anquilose dos dentes

É uma doença dentária que se caracteriza pela fusão de um dente ao osso alveolar, o que impede o seu desenvolvimento e o seu movimento ortodôntico.

“Neste tipo de patologia o ligamento periodontal é destruído formando uma união óssea e fazendo com que a raiz do dente se funda com o osso”, relata o site da Clínica Dental Adeslas.

A anquilose pode afetar tanto os dentes decíduos como os dentes permanentes, embora a sua prevalência seja maior na dentição primária (entre 1,3% e 8,9%).

Além destas doenças dentárias raras, existem outros tipos de doenças que afetam diretamente a saúde oral das pessoas que sofrem delas, tais como a síndrome de Sjögren, a síndrome de Nance-Horan, a doença de Buerger ou a síndrome de Papillon-Lefevre.

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde oral?