Investigação

SafeRoot: o aparelho que deteta bactérias durante tratamentos a canal radicular

tratamento ao canal radicular - Saúde Oral

Existe um novo método que poderá ajudar a detetar bactérias durante os tratamentos ao canal radicular, acabando com a necessidade de consultas de follow-up e com possíveis falhas no tratamento. A conclusão é de um estudo de investigadores do King’s College London, que criaram um aparelho – batizado SafeRoot – que promete detetar de forma rápida bactérias dentro do canal radicular.

De acordo com o Dental Tribune, durante os tratamentos ao canal radicular as infeções bacterianas são removidas, mas cerca de um quarto deste tipo de tratamentos falha, o que leva a mais infeções e outros procedimentos, como a eventual remoção do dente.

O SafeRoot, agora criado, foi desenvolvido para detetar quaisquer bactérias ainda existentes depois do tratamento ao canal radicular ter sido realizado. O objetivo, dizem os responsáveis, passa por eliminar possíveis infeções e reduzir a necessidade de mais tratamentos. Como? Através de coloração fluorescente e micro-espectroscopia, que deteta em alguns minutos a quantidade de bactérias vivas residuais que ainda possam existir no canal radicular.

Segundo os investigadores, durante os ensaios clínicos para este estudo foi possível detetar células bacterianas em apenas três minutos.

“A natureza resiliente das bactérias, combinada com as estruturas do canal radicular frequentemente também complexas, fazem com que a desinfeção seja desafiante, o que leva a um número considerável de infeções persistentes. Esta é a principal razão pela qual os tratamentos ao canal radicular falham”, refere Francesco Mannocci, Professor de Endodontologia no King’s College London.

Os responsáveis pelo desenvolvimento deste dispositivo acreditam que com o aparelho será possível aumentar a taxa de sucesso destes tratamentos.