Entrevista

Nicola West: “Devemos reduzir a escovagem para duas vezes ao dia”

Nicola West, fellowship pelo Royal College of Surgeons of England, PhD na University of Wales (Cardiff) em hipersensibilidade

Para a periodontoligista Nicola West lavamos os dentes com muita frequência e essa é uma das causas para o aparecimento da hipersensibilidade dentinária. Duas vezes ao dia é o ideal. Isso e evitar a todo o custo a ingestão de ácidos fora das refeições.

A hipersensibilidade dentinária é uma condição comum e uma dor oral transitória que pode afetar a qualidade de vida. No último Congresso da OMD Nicola West, formada pela University of Wales College of Medicine e membro da British Society of Periodontology, referiu um recente estudo onde se demonstrou que 42% das pessoas entre os 18 e 35 anos têm sensibilidade (West et al. 2013).

Os fatores de risco incluem recessão gengival, relacionada com a escovagem dos dentes, doenças periodontais e condições de tratamento de periodontais. Uma dieta e estilo de vida erosivos também estão associados ao desgaste do dente, o que pode resultar na exposição da dentina e hipersensibilidade dentinária, bastante frequente em jovens adultos, em que cerca de 30% das pessoas com idades entre os 18 e 35 anos sofrem de moderado a severo desgaste dentário (Bartlett et al. 2013). Durante anos têm sido sugeridos produtos para alívio do problema. A maioria dos tratamentos são autoadministrados utilizando pasta de dentes, os quais obstroem a abertura dos túbulos dentinários, mas reduzir a frequência da lavagem e a ingestão de ácidos pode ajudar a controlar o problema.

É verdade que a maioria das pessoas pensa que a hipersensibilidade é algo que têm de lidar no dia-a-dia?

Sim e normalmente não lhe dão a importância devida. Acham que é algo com que têm de lidar e, apesar de ser doloroso, conseguem lidar com isso. Acham que não podem fazer nada.

Consideram um problema menor?

Bem, as pessoas sabem que é muito doloroso e desagradável, mas acham que têm de viver com isso, não acham que pode ser tratado, mas pode! Os profissionais de medicina dentária têm de ser mais proactivos e perguntar aos pacientes: tem hipersensibilidade? Porque se não perguntarmos normalmente as pessoas não o dizem e só falam no assunto quando já está numa fase muito avançada.

Os médicos dentistas devem colocar a questão ou deve ser feita pelo médico de família, que depois encaminha o paciente para o médico dentista?

Os médicos podiam fazer a pergunta, mas primeiro teriam de ter essa informação. É uma mensagem muito simples pois basta cortar o consumo de ácidos, seja da fruta, vinagres, bebidas, molhos ou citrinos. Apesar de ser comida saudável, os ingredientes mais ácidos só devem ser ingeridos às refeições. Podemos comer estes alimentos pois são benéficos para a saúde e para reduzir problemas cardíacos, mas a questão é a frequência com que os ingerimos.

São os ácidos que provocam a hipersensibilidade?

Sim! Está provado que os ácidos fazem com que a dentina fique exposta e consequentemente a escovagem seja mais dolorosa devido à abertura dos túbulos dentinários.

Normalmente os nutricionistas aconselham a fazer refeições de três em três horas. Em que ficamos?

Depende. Temos de conseguir alcançar um equilíbrio e podemos fazer essas refeições, mas evitar os ácidos. A minha visão é esta: se sofre de hipersensibilidade deve comer frutas e vegetais, mas não entre as refeições. Os snacks podem incluir frutos secos ou frutas que não sejam ácidas, como a banana. Alimentos que não causem erosão.

E água com sumo de limão pela manhã, sim ou não?

Na minha opinião que tem hipersensibilidade deve ingerir limão às refeições e não imediatamente quando acorda. E cuidado com lavar os dentes nessa altura porque o limão é muito destrutivo.

Todas as pessoas podem sofrer de hipersensibilidade?

Nem todos sofrem deste problema, é muito variável, mas 42% dos jovens na europa têm hipersensibilidade, o que é uma percentagem muito elevada. Estamos mais em forma, conservamos os dentes por mais tempo, mantemos o dente vivo e por isso também estamos mais suscetíveis a sofrer de hipersensibilidade sensibilidade em idades mais avançadas.

Como os médicos dentistas podem ajudar os pacientes a lidar com o problema?

Primeiro têm de perguntar: tem hipersensibilidade? E depois dizer que podem ajudar. Temos de descobrir o que está a provocar o problema e reduzir a frequência do consumo de ácidos.

Como podem descobrir a origem do problema?

Perguntando e analisando como os pacientes escovam os dentes. Em Portugal acredito que a escovagem seja feita três vezes ao dia, mas deveria ser reduzida para duas vezes: uma de manhã e outra à noite. As pessoas mais suscetíveis devem reduzir a frequência da escovagem. Não há provas que seja necessário escovar os dentes com tanta frequência.

Mas as pessoas têm isso em mente, ou seja, acabam a refeição e têm de lavar os dentes. Não é assim?

Se são suscetíveis a hipersensibilidade não devem escovar os dentes logo a seguir à ingestão de ácidos. Deve esperar algum tempo e as pesquisas mostram que não é necessário lavar os dentes mais do que duas vezes ao dia. Podem recorrer a pastilhas elásticas, por exemplo, desde que não tenham ácidos, como as de frutas. Se forem pastilhas de mentol pode ser uma boa opção porque vai estimular a produção de saliva e remineralizar os dentes. O médico dentista ou o higienista oral pode pedir ao paciente para escrever o que costuma comer durante o dia para ver onde está o problema. Há sempre alguma coisa que está a provocar a hipersensibilidade, temos apenas de perceber o que é.

Quais as piores frutas para hipersensibilidade?

Citrinos, limão, laranjas, maçãs e depois os vinagres e os vinhos. Por exemplo, não se deve escovar os dentes logo após a ingestão de vinho pois vai piorar a hipersensibilidade. Tem de se encontrar o problema e a melhor forma de lidar com ele.

Referiu na sua palestra que os destros começam sempre a escovagem dos dentes do lado esquerdo e da parte de cima. É assim?

Exato! E esses primeiros dentes são os que têm mais sensibilidade porque começamos por aí e demoramos mais tempo na escovagem. Não demoramos o mesmo tempo em todos os dentes. Devemos demorar cerca de dois minutos na escovagem e diferentes maneiras, mas não para a frente e para trás para não magoar a gengiva.

Em relação à polémica com o uso de fita dentária, deve-se usar ou não?

As pesquisas mostram que não funciona, mas se tem doença periodontal é muito importante que exista limpeza entre os dentes. A pesquisa mostra que é melhor que escovar.