Médicos Dentistas

Mais de metade dos jovens dentistas apresentam níveis prejudiciais de stresse

Mais de metade dos jovens dentistas apresentam níveis prejudiciais de stresse

O stresse tem sido objeto de várias investigações nos últimos 30 anos, especialmente em profissões consideradas “de risco”, como é o caso dos profissionais de saúde.  Pesquisas recentes sobre a saúde dos médicos dentistas confirmam que mais de metade revelam níveis prejudiciais de stresse relacionados com o trabalho, levando a um estado de exaustão extremo, quer físico, emocional e mental, podendo levar a pensamentos suicidas e síndrome de burnout, como refere o artigo More than half of dentists say stress is affecting their practice, da edição 226, do British Dental Journal.

Segundo Steven Stack (Suicide risk among dentists: A multivariate analysis), a “probabilidade de suicídio de um dentista é 6,64 vezes maior do que a do resto da população em idade ativa”.

Segundo um artigo publicado na dentistry.co.uk, entre os fatores de stresse que afetam os jovens dentistas estão o trabalho por turnos, a intensidade e o volume de trabalho, a falta de horários, que podem dar origem a tensões ou a situações de isolamento. Este problema é, sobretudo, evidenciado no Reino Unido, onde muitos médicos dentistas fazem parte do sistema público de saúde. A ambição por um determinado cargo ou uma posição pode, também, levar ao aumento do stresse.

O elevado número de queixas no setor da saúde e a empatia com paciente pode, segundo a publicação, produzir uma sobrecarga emocional ou gerar toxicidade.

Para combater este problema, é elementar que o médico dentista tenha um período de reflexão, como por exemplo, a hora de almoço ou o intervalo para café, por forma a garantir também bons hábitos alimentares, a socialização e períodos de lazer.

Comportamentos como alterações de humor, suspiros frequentes, cansaço excessivo, dores de cabeça relacionadas com a tensão, problemas gastrointestinais e perturbações do sono são alguns dos sinais a ter em conta, bem como a forma como se trata a si e aos outros, no caso de ter comportamentos menos habituais ou exagerados.

É fundamental que os médicos dentistas saibam identificar o momento em que necessitam de parar e avaliar o nível de stresse a que estão submetidos e desenvolvam mecanismos de proteção. Em casos mais sérios é adequado que procurem ajuda de profissionais.

O mindfulness técnica aplicada hoje em muitas empresas como a Google, a PWC, o Deutsche Bank, a Apple, o Credit Suisse, a KPMG, a Reuters, o Santander, a SAP, a Galp, a McKinsey, o MIT, entre outras – pode ser uma forma de ajudar a combater o stresse e existem inclusive programas destinados a dentistas em Portugal.

No Reino Unido, existem ainda outros recursos de ajuda disponíveis, como a DSN (Doctor Support Network), aconselhamento e apoio da BDA (British Dental Association) ou o Programa de Saúde do Praticante do NHS (National Health Services).