Tecnologia

Inteligência Artificial: socorristas dinamarqueses vão ter ajuda de AI para identificar ataques cardíacos

Cada minuto que uma vítima de ataque cardíaco passa sem socorro diminui as probabilidades de sobrevivência em 10%. E reconhecer, através do telefone, um ataque cardíaco quando este está a acontecer é uma das maiores dificuldades daqueles que prestam socorro em serviços de emergência. Por isso mesmo, a Dinamarca começou recentemente a utilizar uma aplicação de Inteligência Artificial que aprende ao longo do tempo e que poderá ajudar a salvar milhares de vidas todos os anos.

A tecnologia, que está a ser utilizada pelos prestadores de socorro do serviço de emergência de Copenhaga, chama-se Corti e é ativada sempre que alguém liga a pedir uma ambulância. A aplicação usa um software de reconhecimento do discurso daqueles que ligam a pedir socorro para transcrever aquilo que é dito e analisa cada palavra para identificar pistas que possam indicar um ataque cardíaco. O prestador de socorro é alertado em tempo real por um bot, que faz o diagnóstico e indica a necessidade de socorrer o paciente.

Os responsáveis pela tecnologia explicam que os prestadores de socorro de Copenhaga com maior experiência conseguem reconhecer um ataque cardíaco através das descrições do paciente por telefone em 73% dos casos. Com esta aplicação de inteligência artificial a taxa de sucesso pode chegar aos 95%.

E desengane-se se pensa que um ‘robot’ nunca conseguirá ‘bater’ a experiência de um profissional com formação. É que a Corti utiliza machine learning para aprender por si própria. Como? A tecnologia analisa todas as chamadas, identifica fatores importantes e vai melhorando à medida que vão ocorrendo mais casos, tornando-se progressivamente mais eficiente, ajudando a salvar mais vidas.

A utilização deste tipo de tecnologias no setor da saúde tem vindo a aumentar todos os anos. Recentemente, uma startup holandesa criou uma aplicação que funciona como uma espécie de base de dados com informação de todos os desfibrilhadores existentes em espaços públicos, permitindo localizar o aparelho mais próximo para salvar a vida de alguém que esteja a sofrer um ataque cardíaco num local público.