Clínicas dentárias

Equipamentos radiológicos dentários vão ser fiscalizados por nova equipa

Repetida exposição a raio-X dentário pode aumentar risco de desenvolvimento de cancro da tiroide

A Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT) vai contratar 12 inspetores para uma equipa que irá fiscalizar os equipamentos radiológicos de todos os setores, incluindo consultórios dentários, veterinários e de radiodiagnóstico, avançou hoje o jornal Público.

Segundo o diário, mais de cem candidatos já prestaram provas para pertencer à equipa que irá verificar estes aparelhos, não só em todos os setores da medicina, mas também da indústria, investigação e ensino.

“Cerca de 86% das fontes são de muito baixa emissão e risco, como é o caso do RX em consultórios dentários, veterinários e de radiodiagnóstico; e cerca de 12% correspondem a fontes de radiologia industrial, que incluem as fontes mais ativas, perigosas, sendo que o maior problema existente são as falhas na implementação de procedimentos”, explicou a fonte da IGAMAOT, citada pelo Público.

No total, de acordo com a entidade, existem em Portugal 10 401 fontes de radiação ionizante, das quais 70% são aparelhos médicos. São 1407 as fontes mais críticas de proteção radiológica, entre braquiterapia, laboratório de radioisótopos, medicina nuclear, radioterapia externa e industrial. Entre as menos críticas, estão os equipamentos de radiodiagnóstico, radiologia dentária e radiologia veterinária.

A atribuição de competências de fiscalização à IGAMAOT surgiu da transposição de uma diretiva europeia que regula as normas de proteção contra as radiações e foi estabelecida pelo Decreto-Lei n.º 108/2018.