Clínicas dentárias

Dr. Well’s: objetivo é chegar às 70 clínicas até 2022

Dr. Well’s: objetivo é chegar às 70 clínicas até 2022

Gonçalo Seguro Dias realizou uma cirurgia guiada de colocação de implantes com confeção de uma prótese por CAD/CAM em live streaming, numa Clínica Dr. Well’s, que contou com os comentários de Miguel Stanley. O objetivo na Dr. Well’s é fazer tratamentos que durem no tempo. Até 2022 querem ter 70 clínicas de âmbito nacional.

No passado mês de janeiro, na Clínica Dr. Well’s do Centro Comercial Colombo, em Lisboa, realizou-se em parceria com a MegaGen, em live streaming (transmitida em direto no canal Youtube da marca), uma cirurgia guiada de colocação de implantes com confeção de uma prótese por CAD/CAM.

A cirurgia, que consistiu na colocação de uma prótese imediata sobre implantes, cujo planeamento, desenho e produção foram efetuados através de meios digitais, foi realizada por Gonçalo Seguro Dias, Rodolfo Romão e Diogo Moura Reis e comentada por Miguel Stanley, consultor científico convidado das clínicas Dr. Well’s. “Há mais de 15 anos que fazemos cirurgia guiada. O que acontecia é que toda a parte laboratorial da confeção dos dentes provisórios era feita ainda de um modo artesanal”, contou Gonçalo Seguro Dias, responsável clínico das Dr. Wells, à SAÚDE ORAL.

Hoje em dia o cenário está a mudar: “aquilo que estamos a fazer é a desmaterialização desse processo. No fundo passamos a ter todo o planeamento pré-protético com base num software digital, por isso tudo o que é escolha de dentes, a sua posição e a sua própria fresagem/impressão é feito de um modo digital”. Deste modo “estamos a ‘eliminar’ toda a componente laboratorial”.

Dr. Well’s: objetivo é chegar às 70 clínicas até 2022

Gonçalo Seguro Dias

Porém, Gonçalo Seguro Dias ressalva que “isto ainda não é o processo stardard porque há uma série de questões do próprio workflow que ainda estão a ser afinadas”. Mas, da perspetiva do médico dentista, “no curto a médio prazo vai passar ser o padrão”. Ou seja, “atualmente, eu e os colegas que fazemos este tipo de procedimentos estamos a afinar o workflow processual para termos os dentes provisórios finais feitos digitalmente”. Daí o médico dentista acreditar que “num espaço curto de tempo vamos tê-lo disponível, de uma forma geral, para todos os nossos pacientes”.

Tradicional versus guiada

Este tipo de cirurgia é vantajoso já que a cirurgia ‘tradicional’ exige, entre outros passos, “o diagnóstico, a cirurgia em si onde os implantes são colocados onde há osso e depois é preciso suturar, esperar alguns meses, tomar uma impressão, fazer uma prova de dentes, ou seja, são cinco ou seis consultas para aquilo que, com a cirurgia guiada, conseguimos fazer numa só consulta. Isto é incrível”, revelou Miguel Stanley.

Dr. Well’s: objetivo é chegar às 70 clínicas até 2022

Exemplificando a situação com a cirurgia realizada por Gonçalo Seguro Dias, o consultor científico referiu que “conseguimos fazer a cirurgia desde que o paciente se sentou na cadeira, até estar despachado, em duas horas. Uma cirurgia tradicional implicaria três horas e um pós-operatório complicado e pelo menos mais quatro ou cinco consultas”. Não obstante esta poupança de tempo e o conforto que representa para o paciente, o médico dentista ressalvou; “espero que a população portuguesa consiga entender que apesar da cirurgia ser rápida houve um tempo pré-cirúrgico passado ao computador”.

As novas gerações

Miguel Stanley fez a primeira cirurgia completamente guiada há quatro anos e desde então aquilo que mudou foi “a curva de aprendizagem. Uma das coisas que mais gosto é ter a possibilidade de ter jovens médicos dentistas a realizar estes procedimentos, como a Dra. Catarina Rodrigues, que trabalha comigo há ano e meio e tem 24 anos. É da geração que praticamente nasceu com um telemóvel na mão. Estas novas tecnologias permitem que os recém-licenciados ou as pessoas com dois ou três anos de experiência possam, quando são conhecedores desta tecnologia, fazer cirurgias com um certo grau de dificuldade com incrível segurança”.

E como é que isto pode impactar a vida dos portugueses? Miguel Stanley responde: “Portugal é um país com muita gente desdentada e, no que toca à implantologia, se conseguirmos suavizar um pouco o fracasso através da tecnologia – porque todos temos fracassos – é muito bom”. O médico dentista tem por hábito dizer que “o fracasso elimina-se no diagnóstico” e, por isso, na sua clínica “temos um elevado grau de sucesso porque sabemos quando dizer não e neste sentido a cirurgia guiada permite ver o que é real e o que não é antes de entrar verdadeiramente para cirurgia e isto para o público é algo muito valioso”.

A cirurgia realizada em live streaming por Gonçalo Seguro Dias foi preparada “em tempo recorde”, sendo que o seu planeamento envolveu uma equipa da Coreia do Sul, da Alemanha e da White Clinic. A equipa da Dr. Well’s facultou as TACs e “com essa informação conseguimos criar as guias cirúrgicas, pré selecionar os implantes, os abutments e os próprios dentes… e veio tudo da Alemanha”, revelou Miguel Stanley. Este trabalho em equipa é “fenomenal, visto ser raro ver equipas multidisciplinares fora do ambiente da faculdade a trabalhar em conjunto”.

Miguel Stanley é consultor científico convidado das Clínicas Dr. Well’s. “Vim introduzir alguma da minha experiência de longa data na área das novas tecnologias”, revelou. “É uma oportunidade para partilhar este conhecimento com um grande grupo”.

Gonçalo Seguro Dias é o responsável clínico. “O meu trabalho passa por garantir que alguns dos pilares essenciais do projeto, que têm a ver com a instituição de protocolos clínicos rigorosos, a definição dos materiais com que se trabalha e a definição de processos de monitorização de qualidade clínica, são claramente implementados”. O objetivo nas clínicas Dr. Well’s é fazer tratamentos que durem no tempo. “Só apostando em procedimentos clínicos standardizados, protocolarizados e baseados na evidência, bem como na formação interna, é que conseguimos atingir esta meta”.

“Qualidade irrepreensível”

No geral, apesar de ser um projeto recente, o balanço da criação da rede de Clínicas Dr. Well’s é “positivo” afirmou à SAÚDE ORAL Tiago Gonçalves, diretor de negócio das Clínicas Dr. Well’s, “Queríamos criar uma nova rede de clínicas que tivesse uma proposta de valor muito clara para os pacientes”. Sendo o objetivo “ter uma qualidade irrepreensível, aliado a um preço competitivo e atrativo que permita às pessoas ter acesso àquilo que é a saúde oral. E neste sentido estes primeiros meses têm corrido extremamente bem”. A clínica do Centro Comercial Colombo, que é recente, teve uma afluência que “nos surpreendeu: tivemos mais de dois mil pacientes com uma taxa de fidelização muito alta”. Na altura da realização da cirurgia, a Dr. Well’s contava com quatro clínicas. Contudo “até 2022 queremos ter na ordem das 70 clínicas de âmbito nacional”, revelou Tiago Gonçalves, perspetivando-se abertura de novas unidades já durante este ano.