Saúde Oral

Classes média e baixa são as que formalizam mais seguros de saúde

Cancro da cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

As classes média, média baixa e baixa são as que contratam mais seguros, e o número de Portugueses com seguros de saúde nunca foi tão alto. Segundo a empresa de estudos de mercado Marktest, até setembro deste ano, 2 milhões e 758 mil pessoas detinham apólices de seguros, o que representa cerca de 31% da população.

As zonas de Faro, Setúbal e Lisboa e Vale do Tejo são as que apresentam maior número de pessoas com seguros. Estas zonas são, também, as que apresentam menor cobertura por médicos de família, bem como maior tempo de espera para consultas de especialidade e cirurgias no SNS.

“Quem tem mais dinheiro não tem problemas em pagar um especialista no privado”, disse ao Jornal de Notícias Miguel Gouveia, economista e investigador de economia da saúde.

“Os mais pobres procuram proteção para situações catastróficas, como cirurgias, que não pagariam no SNS, mas têm elevados tempos de espera”, reforçou, recordando que há “estudos feitos no Reino Unido, cujo SNS é semelhante ao nosso, que indicam que o setor privado e os seguros crescem onde há desinvestimento no SNS”.