Periodontologia

Já conhece o Manifesto Periodontologia e Saúde Geral?

Dia Europeu da Saúde Periodontal - SPPI - Saúde Oral

O Dia Europeu da Saúde Periodontal realiza-se a 12 de maio, uma celebração promovida pela Federação Europeia de Periodontologia (EFP) e que conta com a colaboração da Sociedade Portuguesa de Periodontologia e Implantes (SPPI). O objetivo passa por consciencializar os portugueses para a saúde periodontal com destaque para diversas ações informativas.

De acordo com a SPPI, “a doença periodontal afeta quatro em cada cinco pessoas com mais de 35 anos e tem uma relação direta com a diabetes, as doenças cardiovasculares e outras doenças crónicas”.

Precisamente para a alertar para este doença, a SPP vai promover a partir do próximo dia 9 de maio, por todo o país, várias ações para falar das causas, riscos, prevenção e tratamento.

“A saúde periodontal pode desempenhar um papel relevante na prevenção, diagnóstico e controlo das referidas doenças crónicas. Para garantir a eficácia desta data e se cumprirem os objetivos traçados, a SPPI e a EFP encorajam médicos dentistas, investigadores, clínicos, instituições, empresas e membros da comunidade médica em geral a assinar e difundir o Manifesto Periodontologia e Saúde Geral, um alerta internacional para a prevenção, diagnóstico precoce e tratamento das doenças periodontais”, refere a SPPI.

Filippo Graziani, coordenador do Dia Europeu da Saúde Periodontal 2017, refere que “o Dia Europeu da Saúde Periodontal 2017 tem como objetivo lembrar a população que a doença periodontal é crónica, grave e é uma das doenças mais comuns em Portugal e no resto da Europa. Oito em cada dez pessoas com 35 anos ou mais apresentam algum sintoma associado às gengivas, de forma que podemos considerar um problema de saúde pública largamente disseminado, uma epidemia silenciosa”.

Já Ricardo Faria Almeida, Presidente da Sociedade Portuguesa de Periodontologia e Implantes, explica que, em Portugal, “este é um verdadeiro problema de saúde pública. É fundamental alertar a população que o sangramento das gengivas não é normal e que é possível efetuar o tratamento. A consciencialização dos profissionais de saúde para estas temáticas é fulcral, porque só assim, é possível reduzir as altas taxas de prevalência que em Portugal ultrapassam largamente as europeias”.