Medicina Dentária e Estética Facial

A saúde importa, mas a beleza também

A saúde importa, mas a beleza também

Andam lado a lado e exigem a intervenção de uma equipa cada vez mais abrangente e multidisciplinar. A Medicina Dentária, aliada aos serviços de estética, tem um duplo benefício: melhora a saúde e a autoestima dos clientes. Atentas a esta nova tendência, as clínicas dentárias têm profissionais de várias especialidades de forma a cuidar dos pacientes como um todo e contribuem para que Portugal já esteja numa posição de destaque relativamente a serviços prestados noutros países.

Ter um sorriso saudável e bonito. Duas preocupações atuais das pessoas que procuram a ajuda dos dentistas numa dupla vertente. Andará a Medicina Dentária de mãos dadas com a estética? E que papel representa esta última vertente na saúde oral? “As técnicas inovadoras que têm vindo a surgir permitem-nos criar sorrisos à medida dos pacientes. Esta área está em constante desenvolvimento e isso reflete-se na qualidade e evolução dos serviços praticados pelos profissionais. As pessoas são cada vez mais seduzidas através da imagem que vem nas redes sociais e em outros meios de comunicação e ambicionam ter um sorriso, como se diz, de Hollywood”, refere Hugo Madeira, médico dentista e CEO da Clínica Hugo Madeira – Estética e Implantologia Avançada.

Nesta clínica existem vários serviços direcionados para clientes que pretendam preservar a harmonia estética da face. “Não prestamos apenas cuidados na área de saúde oral. Oferecemos um vasto leque de serviços prestados por outros médicos, como cirurgias maxilo-faciais, preenchimento com botox, bichectomia, rejuvenescimento gengival, entre outros”, explica o médico dentista. Na área de Medicina Dentária, os tratamentos de estética que mais praticam são a aplicação de facetas dentárias e as reabilitações totais em cerâmica.

Na MD Clínica realizam-se “vários tipos de tratamento com toxina botulínica, preenchimentos com ácido hialurónico (nos lábios, nas maçãs do rosto, nas rugas em torno dos lábios, etc.), colocam-se fios tensores, fazem-se cirurgias de remoção da bola de bichat (bichectomia) para afilar o rosto, mesolifting com dermaroll (para remover cicatrizes, pequenas rugas e peelings, entre outros). Agora, como novidades, vamos começar a realizar tratamentos com dois tipos de laser. Felizmente todos têm sido um sucesso em termos de resultados”, explica a diretora clínica, Alexandra Marques. A médica dentista tem vindo a assistir a uma maior exigência dos pacientes atuais, que procuram atualmente o lado mais estético da Medicina Dentária. “Temos muitos pacientes que, depois de terminar uma reabilitação oral, querem preencher os lábios, apagar as rugas da face, aumentar os malares. Muitas vezes, o tratamento  dos dentes é apenas o primeiro passo ou o ‘clique’ para melhorar tudo o resto depois”, afirma.

Os pacientes não só são mais exigentes, como mais informados no que respeita ao resultado final. “É importante que a avaliação da estética dentária seja sempre feita num plano mais geral, isto é, tendo em conta o seu enquadramento em relação aos lábios e à face do paciente, dado que essa perspetiva contribui para uma maior e mais conseguida harmonia estética final. Consequentemente é muito importante que a prática clínica dedicada à estética dentária trabalhe em estreita colaboração com a cirurgia plástica para que se possa estar à altura das expetativas e exigências estéticas dos pacientes”, defende João Borges, médico dentista e diretor clínico da João Borges Aesthetic Dentistry. Apesar da equipa desta clínica dentária estar inteiramente orientada para a reabilitação oral e para a estética dentária, o foco é multidisciplinar. “Para complementar as exigências estéticas dos nossos pacientes, nomeadamente as exigências de re-harmonização facial, trabalhamos em colaboração com dois cirurgiões plásticos que prestam esse tipo de serviço. Eu diria que, neste momento, a aplicação de ácido hialurónico para preenchimento labial é o tratamento que mais frequentemente vemos necessidade em prescrever”, acrescenta.

Para Paulo Malo, presidente da Malo Clinic, não há dúvidas que o lado estético intervém positivamente na vertente funcional. “Continuamos a ter uma grande procura na área dos peelings, preenchimento de rugas com ácido hialurónico e toxina botulínica”, refere. E há uma explicação para esta realidade: “O conceito de sucesso pessoal e profissional tem vindo a mudar, e atualmente está muito associado a pessoas bonitas, com boa forma física e com um sorriso cativante”, explica o médico dentista. Para que as necessidades e as expetativas dos pacientes sejam realistas e tidas em consideração é necessário traçar planos de tratamento com equipas multidisciplinares. “A avaliação da estética facial e dentária é fundamental e tem um papel importante no planeamento do tratamento dentário, uma vez que não podemos limitar-nos a observar só os dentes. Temos que ter em conta os tecidos moles dos pacientes e ter a noção que a maioria procura obter um sorriso que transmita saúde e beleza”, avança o médico dentista.

O culto da beleza e do corpo está cada vez mais presente na vida dos pacientes que frequentam a Molar Clinic. “Num passado recente, os tratamentos em Medicina Dentária permitiam resolver problemas funcionais, biológicos e mecânicos, e só por fim a vertente estética. Penso que, hoje, esta pirâmide inverteu-se e os pacientes procuram cada vez mais a estética, e só depois, a função e a biologia. Cabe-nos adequar os nossos tratamentos estéticos às restantes vertentes da Medicina Dentária. Mais de 50% dos pacientes que nos procuram fazem-no por uma questão de estética, por isso a procura por um sorriso bonito e perfeito está cada vez mais em voga”, explica João Mouzinho, responsável do Departamento de Implantologia e Reabilitação Oral da Molar Clinic.

Os serviços prestados por esta clínica no segmento de estética passam sobretudo pela colocação de facetas tipo “lentes de contacto”. No entanto, o que tem tido maior sucesso é uma espécie de “test drive do sorriso” que João Mouzinho explica ao pormenor: “através dos nossos scanners intra-orais e faciais, conseguimos produzir um mock up (maquete) numa impressora 3D, que a pessoa consegue pôr e tirar em três segundos, e que lhe permite testar antes de fazer qualquer tratamento na nossa clínica”. O poder de decisão é muito mais facilitado porque o paciente consegue ver o resultado final, tendo ainda a hipótese de alterar a forma, o tamanho, a cor e a posição dos seus dentes num projeto. “Tudo isto é baseado no Digital Smile Design (DSD) mas fizemos algumas alterações que pareciam interessantes para o nosso tipo de mercado e que batizámos como ‘4D Planning”, explica o médico dentista.

Portugal equiparado à Europa

Como está o nosso país comparativamente a outros países europeus na área de estética facial? Já temos as técnicas mais modernas disponíveis no nosso país? A evolução nacional tem acompanhado as tendências e as preocupações dos pacientes com a aparência, defendem os especialistas que falaram com a Saúde Oral. “Ao compararmos a Europa com a América Latina observamos que, devido à cultura, à obsessão por um corpo bonito e à preocupação com a aparência como um todo, a América apresenta uma oferta mais vasta na área da estética. Os procedimentos clínicos estão a melhorar de forma exaustiva a nível digital e tecnológico permitindo oferecer aos pacientes, tratamentos que sejam mais eficazes e menos invasivos”, defende Hugo Madeira.

Já Alexandra Marques considera que o país está na direção certa, mas ainda tem “um longo caminho a percorrer”. Apesar das diferenças, no passado, entre Portugal e outros países, como o Brasil, os tratamentos hoje são “do mais inovador que se faz pelo mundo fora”, garante João Mouzinho que tem visitado muitas clínicas noutros países. “A oferta em Portugal na área da estética está no top mundial. Penso que a nova geração de médicos dentistas está seguramente no caminho certo dos tratamentos estéticos”, sublinha.

Também o médico dentista João Borges considera que Portugal tem seguido o exemplo brasileiro, “que é sempre um guia nesta área”, defendendo que Portugal se encontra num momento “de grande evolução, a par com o que se passa com outros países europeus”.

Ainda assim, e apesar da evolução do país no que toca à prestação de serviços com cada vez maior qualidade, Paulo Malo considera essencial que o paciente esteja atento e não procure profissionais que não estejam habituados a realizar certos procedimentos. “Muitas vezes isto acontece por procurarem tratamentos baratos. No entanto, a nossa realidade económica ainda não permite que toda a população tenha os tratamentos que deseja”, adianta.

A área de estética deixou de ser um tabu e para isso tem contribuído a presença de médicos dentistas nos meios de comunicação social, considera o médico dentista da Molar Clinic. “Os pacientes perderam o medo de alterar e melhorar a sua componente estética. A qualidade dos médicos dentistas em Portugal veio ajudar a que os tratamentos estéticos tivessem também um peso muito grande na biologia, função e mecânica da saúde oral. Penso que, no futuro, iremos assistir a grandes mudanças por parte da indústria porque o mercado assim o obriga”, defende João Mouzinho.

Que futuro?

O médico dentista acabou por dar o mote para que os especialistas indicassem as suas previsões para o futuro da Medicina Dentária ligada à Estética. E o que se antecipa está diretamente relacionado com tecnologia e meios digitais. “No futuro penso que poderemos ver os dentes digitalmente em vídeo na nossa face, através da realidade aumentada, e com a cirurgia orientada, conseguiremos desgastar os dentes com a ajuda de máquinas que vão ajudar a minimizar o erro da mão do operador. No caso dos implantes, isto permitirá que o computador nos ajude na posição dos nossos implantes em tempo real durante a cirurgia”, refere.

“Com a evolução digital e a introdução constante de técnicas e práticas inovadoras, cada vez mais a Medicina Dentária é trabalhada digitalmente tornando o processo de tratamento mais simples e mais rápido tanto para nós, médicos dentistas, como para os pacientes. Na nossa clínica, todos os moldes são feitos a nível digital, com uma impressora 3D, e a partir desses modelos conseguimos realizar um DSD que permite ao paciente antever o resultado final”, revela Hugo Madeira. O médico dentista e a sua equipa avaliam como necessidade básica o alargamento dos serviços para dar uma maior capacidade de resposta aos pacientes que tencionem procurar várias alternativas num só espaço.

Com a perspetiva de prestar melhores serviços, os médicos dentistas procuram também apostar na formação além do campo da dentisteria. “Existe uma preocupação por parte do médico dentista em estender os seus procedimentos intra-orais para extra-orais proporcionando um tratamento completo a nível estético facial ao paciente”, acrescenta.

Alexandra Marques considera que a aposta em áreas complementares é um sucesso. “Lanço o desafio aos colegas para que possam ter, nas suas clínicas, a oferta deste tipo de tratamentos, com um retorno que será seguramente garantido em pouco tempo”, diz. E fundamenta: “Os pacientes veem-nos como profissionais muito capazes e com uma visão que mais nenhuma especialidade tem para realizar estes tratamentos. Quem melhor que o medico dentista para saber como dar suporte ao lábio e como melhorar a estética do sorriso e da face? Penso que, no futuro, teremos cada vez mais clínicas de Medicina Dentaria  a realizar estes procedimentos de harmonização facial. Não é à toa que, no ano passado já houve uma conferência sobre estes tratamentos no congresso da Ordem dos Médicos Dentistas”. A MD Clínica realiza dois cursos de estética facial anualmente e o próximo acontece a 26 e 27 de outubro deste ano. “Estão sempre lotados”, garante a diretora clínica.

A acompanhar a maior esperança média de vida da população, as necessidades e as expetativas em relação à própria beleza e à estética também aumentam. Por esse motivo, João Borges antecipa que se verificará “um aumento natural da procura por este tipo de abordagem multidisciplinar”.

Abordagem holística e de uma vasta equipa

Devolver a autoestima e a funcionalidade a cada paciente. Eis dois benefícios claros da ligação da Medicina Dentária à Estética. “Cada caso é um caso. Alguns pacientes são ideais para colocar facetas e outros para serem reabilitados através de implantes”, refere Hugo Madeira. Na sua clínica, uma equipa multidisciplinar intervém em serviços complementares. “Além dos médicos dentistas temos também um nutricionista, um fisioterapeuta especializado em oclusão e um profissional de Osteopatia. Todos estes profissionais têm, de alguma forma, um papel interveniente na estética facial do paciente porque a alimentação e a postura são fatores que também afetam o nosso corpo”, explica.

Por vezes, os tratamentos dentários funcionam como um aviso para que os pacientes comecem a cuidar mais de si. “Se lermos as metas para a saúde no futuro, os autocuidados e os serviços aliados à estética serão os que terão maior sucesso”, salienta Alexandra Marques.

“A reabilitação oral e a estética dentária são áreas que procuram, de uma forma mais sistemática, o equilíbrio funcional e de saúde da dentição como um todo. Como tal é de crucial importância a observação do paciente de uma forma mais holística, integrando as áreas de nutrição, fisioterapia e psicologia”, acrescenta João Borges. A avaliação médica é fundamental em articulação com a vontade e a expetativa do paciente. “Uma paciente com necessidade de tratamento de um incisivo central pode requerer, por sua iniciativa e vontade de melhoria estética facial, aos mesmos tratamentos que uma paciente desdentada total que, no final, pretenda melhorar o aspeto estético do seu lábio superior”, exemplifica o médico dentista.

Na Molar Clinic é feita uma consulta multidisciplinar onde todas as equipas ajudam no resultado final, sempre que se recebe um paciente para uma transformação estética do seu sorriso, “desde a reabilitação com implantes dentários, à reabilitação com facetas cerâmicas e às resinas compostas diretas que possam ajudar a mudar o sorriso. Por incrível que pareça, até na área da Odontopediatria já recebemos crianças porque os pais pretendem alterações estéticas nos dentes dos seus filhos (como a remoção de manchas brancas com técnicas de microabrasão e infiltração) ”, afirma João Mouzinho.

O paciente quer, cada vez mais, ser tratado como um todo. Paulo Malo dá o exemplo de tratamentos disponíveis na sua clínica, como a terapia da fala ou a terapia miofuncional que vai ajudar o paciente a adaptar-se à sua nova condição. “Esta área atua na correção do desequilíbrio muscular orofacial, na criação de novos padrões musculares na deglutição, na criação de padrões adequados para a articulação das palavras, ajuda na redução dos hábitos nocivos e contribui também para a estética do paciente”, explica Paulo Malo. Além desta terapia, a clínica Malo iniciou “tratamentos de modulação com LEDs, dirigidos às hiperpigmentações, acne e rejuvenescimento cutâneo. Na área dos peelings e para o preenchimento das rugas finas, temos um tratamento inovador associado a fatores de crescimento”. Nos planos de tratamento multidisciplinares, tendo em conta as necessidades e expetativas dos pacientes, o paciente passa pelas diversas fases da Medicina Dentária. O trabalho, esse, é de equipa.