Investigação

Estudo relaciona doença periodontal com maior risco de mortalidade

FMD-UL lança pós-graduação em Saúde Oral para pessoas com necessidades especiais

A conclusão é de um estudo recentemente publicado pela Universidade de Buffalo, nos EUA: a mortalidade da população em geral e das mulheres mais velhas pode diminuir graças a melhorias na saúde periodontal. De acordo com o Dental Tribune, para chegar a esta conclusão, o estudo analisou dados acerca de 57 mil mulheres em pós-menopausa, concluindo que a periodontite e a perda dentária estão associadas a um maior risco de mortalidade.

As mulheres examinadas no âmbito deste estudo tinham entre 55 e 89 anos de idade e não tinham historial de doenças cardiovasculares. De acordo com os autores do estudo, a prevalência de periodontite no grupo em análise era de 26% e a prevalência de perda dentária era de 5,9%.

Depois de analisados dados referentes a um período de 6,7 anos, os investigadores registaram 3589 casos de doenças cardiovasculares e 3816 mortes. Além disso conseguiram concluir que um historial de doença periodontal estava associado a um risco de morte 12% superior e que um historial de perda dentária estava associado a um risco de morte 17% superior. De resto, os investigadores ficaram também a saber nos casos de mulheres que visitavam o dentista menos do que uma vez por ano, a perda dentária estava mais fortemente associada a casos de doença cardiovascular, em comparação com as que iam mais vezes ao dentista durante o ano.

Conheça o estudo em detalhe aqui.