Saúde Oral

Dia Mundial da Saúde Oral: prevenir, informar e formar são as palavras de ordem

A maioria das pessoas desconhece o que é ortodontia interceptiva

As medidas preventivas e interceptivas “são fundamentais para o desenvolvimento harmonioso oclusal e estético da criança, o que permite minimizar ou evitar problemas futuros”. Quem o diz é o médico dentista Paulo Fernandes Retto, que refere que apesar de a ortodontia interceptiva desempenhar um papel muito importante na saúde oral, a maioria dos portugueses ainda o desconhece.

Numa altura em que se está prestes a celebrar o Dia Mundial da Saúde Oral (20 de março), o médico dentista lembra que “prevenir, informar e formar são as palavras de ordem numa data em que se relembra a importância da saúde oral para a saúde física e mental em todas as fases da vida”.

O médico dentista explicaque “a idade ideal para o diagnóstico e possível tratamento ortodôntico deverá ser no início da troca dos dentes de leite para os dentes definitivos, por volta dos seis anos de idade. Muitos problemas do foro ortodôntico e ortopédico podem ser diagnosticados nesta fase. Alguns resultam de hábitos como a sucção digital, sucção ou mordida da língua, roer canetas, entre outros.” Estes problemas podem ter impacto direto na saúde dos jovens.

“Infelizmente, a informação é parca nesta área. Inclusivamente muitos pais são informados que devem esperar pela dentição definitiva para iniciar o tratamento ortodôntico, o que agrava, na maior parte dos casos, as patologias. O resultado são tratamentos ortodônticos mais demorados, podendo também levar à necessidade de extração de dentes permanentes. Em casos mais severos, o tratamento torna-se inviável sem intervenção cirúrgica. Os portugueses ainda têm pouco acesso a informação sobre a importância do diagnóstico e intervenção precoce na Ortodontia contemporânea”, acrescenta Paulo Fernandes Retto.

Paulo Fernandes Retto diz também que “promover a aquisição de conhecimentos indispensáveis para a prevenção e interceção de alterações oclusais em fases precoces, junto das famílias, é cada vez mais uma prioridade para a classe médica dentista.”